Pessoas

Desenvolvimento local

GRI 103- 1, 103-2, 103-3

O compromisso com o Desenvolvimento Local faz parte de nossa essência e está registrado em nossa Política de Sustentabilidade. Na prática, é executado a partir do engajamento com as comunidades por meio de uma agenda econômica, ambiental e social construída com a participação dos diversos públicos de interesse.

As ações de responsabilidade social contemplam projetos de educação e capacitação para o mercado de trabalho, agricultura familiar, gestão de resíduos sólidos regional, além de um programa de apoio ao planejamento da gestão pública. Todos os impactos operacionais de indústrias e operações florestais são identificados, mitigados ou diminuídos, permitindo a operação dentro dos mais elevados padrões de sustentabilidade. Os impactos negativos também estão mapeados e podem ser consultados em Iniciativas de Engajamento.

As seguintes políticas e documentos internos nos orientam neste tema:

  1. Política de Sustentabilidade Klabin;
  2. Visão de Sustentabilidade da Klabin;
  3. Política de Engajamento com Stakeholders;
  4. Política de Capital Reputacional;
  5. Código de Conduta;
  6. Manual Anticorrupção;
  7. Política de Diversidade e Promoção da Empregabilidade;
  8. Manual e Procedimentos da área de Responsabilidade Social e Relações com a Comunidade;
  9. Propósito Florestal;
  10. Plano de Ação Socioambiental;
  11. Plano de Engajamento de Stakeholders;
  12. Políticas regulamentadoras como legislação ambiental, certificações e padrões de bancos investidores (Veja mais em Certificações  e Meio Ambiente)

Investimento social 

 

Por meio da Plataforma de Investimento Social Privado, direcionamos investimentos para quatro linhas de atuação, divididas em dois eixos – Território e Pessoas.

Metas com a comunidade

 

Endossamos de forma voluntária uma série de iniciativas externas e compromissos (confira os detalhes em Iniciativas de Engajamento). Para este tema, nossas metas são:

Objetivos Meta 2017 Resultado 2017 Meta 2018 Resultado 2018 Análise 2018 Meta 2019 Análise 2019 Meta 2020
Levantar e dimensionar os impactos negativos das operações da Klabin nas comunidades * * * * * * *  Realizar ações e diagnósticos pré e pós operacionais nas comunidades de abrangência de operação das áreas florestais planejadas para 2020
Acompanhar indicador de percepção do comprometimento da Klabin com as comunidades Aumentar em 9% (47% para 56%) a percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades nos 6 municípios pesquisados em 2016¹
Ampliar a realização da pesquisa de 6 para 9 municípios²
Aumento de 16% (47% para 62,8%) no indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades urbanas e rurais de 6 municípios Aumentar em 10% (63% para 73%) a percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades nos 9 municípios² Aumento de 16,6% (62,8% para 79,4%) no indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades urbanas e rurais de 9 municípios² Meta alcançada Manter em 80% o indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades em 9 municípios5 Redução do indicador. Em 2019, o indicador de percepção de comprometimento da Klabin com a comunidade variou de 79% (registrado em 2018) para  64%. O índice é mensurado em comunidades urbanas e rurais de  9 municípios da meta. Manter em  80,5%  a percepção de comprometimento da Klabin em 9 municípios (Telêmaco Borba, Imbaú, Ortigueira, Tibagi, Reserva, Curiúva, Rio Branco do Ivaí, Ventania e Sapopema) em relação ao conjunto de indicadores que mensura questões de Percepção de Impactos, Desenvolvimento Econômico, Conservação Ambiental, Emprego, Comprometimento, Social, Estímulo aos Negócios e Imagem.
Mensurar o nível de conhecimento das comunidades sobre a Klabin, seus projetos sociais e suas atividades * * * Pesquisa ampliada para 12 municípios4 * * * *
Monitorar a imagem e reputação da Klabin * * * * * * * *
Dar as devidas devolutivas para demandas como reclamações, denúncias, solicitações, dúvidas e sugestões em até 2 dias, com esclarecimentos e informações de tratativas3 Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias 79% dos contatos recebidos retornados em até 2 dias Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias 72% dos contatos recebidos retornados em até 2 dias Meta não alcançada, devido ao número elevado de demandas recebidas e pela necessidade de checagem preliminar das mesmas Manter em 80% o retorno inicial dos contatos em até 2 dias * Atender 100% das comunidades dentro da Área Diretamente Afetada (ADA) em relação à geração de poeira pelo transporte de madeira própria (fazendas próprias e arrendadas)
* * * * * * * * Reduzir em 20% as reclamações sobre poeira (até 3,8 reclamações por km de estrada dentro de comunidades)
* * * * * * * * Sistema Gestão de Demandas: Avaliar o atendimento de demandas e ocorrências do Fale com a Klabin no Paraná, em relação aos seguintes quesitos: Qualidade do atendimento; Pontualidade e Satisfação do atendimento às demandas e ocorrências do Fale com a Klabin no Paraná.

Desenvolvimento e impacto de investimentos em infraestrutura e serviços oferecidos

 

GRI 203-1

A plataforma PROSAS, voltada para a gestão do investimento social privado da Klabin, é uma ferramenta que auxilia a definir iniciativas próprias e apoiadas quanto ao impacto social nas áreas de desenvolvimento local, educação ambiental, cultura e educação. Em 2019, foram investidos R$ 22,84 milhões.

Investimentos Social Privado (R$ milhões) 2016 2017 2018 2019
21,82  22,36 26,68 22,84

Os recursos destinaram-se a doações e patrocínios que, por meio de recursos próprios e incentivados, apoiam projetos de terceira parte tanto nas comunidades quanto fora da área de atuação da Klabin, e a projetos próprios, realizados preferencialmente nos territórios onde a Companhia atua.

*Doações e recursos próprios são destinados a entidades assistenciais, instituições de ensino, doações culturais e patrocínios.
Desde 2016, a Klabin não realiza nenhum tipo de contribuição a campanhas políticas, de acordo com a legislação brasileira em vigor (Lei nº 13.165/2015).

Detalhes de projetos que receberam doação ou patrocínio podem ser consultados na plataforma PROSAS.

Nossos projetos

GRI 203-1

KLABIN PELO DESENVOLVIMENTO LOCAL

Centro Estadual de Educação Profissional Florestal e Agrícola de Ortigueira

Um dos maiores destaques dos nossos projetos em 2019 foi a estruturação da primeira escola de operação e mecânica florestal do Brasil. O Centro Estadual de Educação Profissional Florestal e Agrícola de Ortigueira (PR) foi inaugurado em janeiro de 2020 e já em fevereiro recebeu suas primeiras turmas, em quatro cursos, com 43 alunos em cada um.

Serão oferecidos cursos de Operações Florestais, Técnico em Manutenção de Máquinas Pesadas e Técnico em Agronegócio, nas modalidades integral (paralelamente ao ensino médio) e subsequente (após conclusão do ensino médio). Ao todo haverá 800 vagas, sendo 300 em regime de internato e semi-internato, o que permite o ingresso de estudantes de diversas partes do país.

A escola conta com infraestrutura de 37 mil m² para o funcionamento de salas de aulas, quadra poliesportiva, biblioteca especializada, laboratórios de biologia, mecânica, solos, corte e afiação. Modernos simuladores, tratores florestais articulados, processadores e colheitadeiras motorizadas estão entre os equipamentos utilizados nas atividades de ensino e aprendizagem. O projeto buscou inspiração pedagógica em escolas da Suécia e Finlândia.

Parte do quadro de professores é composta por colaboradores Klabin, que participaram de processo seletivo no Estado. Estão sendo estruturadas parcerias com empresas da cadeia de base florestal.

A iniciativa recebeu R$ 35 milhões em investimentos e é uma parceria entre a Klabin, o Governo do Estado do Paraná e a Prefeitura Municipal de Ortigueira para contribuir na formação de mão de obra qualificada para o setor.

Segundo a Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), os projetos relacionados ao aumento dos plantios de florestas, ampliação de fábricas e novas unidades que trabalham com matéria-prima florestal devem somar R$ 32,9 bilhões em investimentos, entre 2020 e 2023.

Uma nova Linha de Base para o Projeto Puma II

A avaliação da situação socioeconômica da região de implantação de um grande projeto é um instrumento importante para melhor avaliação de seus impactos positivos e negativos e para a adoção de programas e projetos sociais, econômicos e ambientais. A exemplo do que foi realizado no Projeto Puma I, em 2013, a Klabin elaborou agora um novo diagnóstico de Ortigueira e dos municípios da área de influência de sua expansão: a Linha de Base do Puma II.

Nesse processo, adotamos o Índice de Progresso Social (IPS), desenvolvido pela Fundación Avina, que usa indicadores relevantes para o direcionamento da estratégia de investimento social da Klabin e para a dinâmica do território.

A Linha de Base possibilitará compreender melhor a dinâmica socioeconômica da região e as transformações do território influenciadas pelo começo de operação do complexo industrial em 2016. E, com isso, também entender o potencial de crescimento a partir da nova obra de expansão.

Definição de indicadores tendo em vista as três naturezas previstas na metodologia do IPS: necessidades humanas básicas, fundamentos do bem-estar e oportunidades.

Pesquisa sobre contexto político-institucional e local do território.

Alinhamento do IPS aos projetos sociais da Klabin no território: Apoio à Gestão Pública, Programa de Resíduos Sólidos, Semeando Educação e Matas Sociais (veja mais sobre os projetos neste capítulo).

O processo de construção da Linha de Base envolveu análise estatística de indicadores oficiais e pesquisa de campo com comunidades dos 12 municípios sob influência do Projeto Puma II (etapas já concluídas). Prevê-se para junho de 2020 a seleção dos indicadores que serão acompanhados para avaliar o progresso destes municípios. A perspectiva é que estes indicadores embasem a elaboração de planos de melhoria e investimentos sociais da Klabin, e sirvam de subsídio às políticas públicas a serem adotadas na região.

Com apoio da Klabin, Ginástica Artística de Telêmaco Borba é destaque nacional

A dedicação e o talento das atletas do Centro de Treinamento de Ginástica Artística (CTGA), de Telêmaco Borba, são destaque em competições por todo o Brasil. O ensino da modalidade, realizado há oito anos por meio de parceria entre Klabin e Prefeitura Municipal de Telêmaco Borba, garante o desenvolvimento do esporte, contribuindo de forma positiva com a formação física e cultural das jovens da região. Atualmente, o Centro treina 100 meninas, entre cinco e 14 anos, gratuitamente. A Klabin apoia o projeto viabilizando infraestrutura no ginásio e garante a contratação de um dos treinadores. Em 2019, atletas do grupo saíram vitoriosas do Torneio Nacional de Ginástica Artística, o principal evento da modalidade no país.

Fóruns de Desenvolvimento

Em 2019, criamos o Fórum de Desenvolvimento Local de Angatuba (SP) e seguimos com as atividades em Goiana (PE). A proposta é envolver diversos atores da sociedade civil organizada, entre eles a Klabin, e defender que todos juntos sejam capazes de buscar um novo modelo de gestão do território com base na discussão de soluções para as questões locais. A iniciativa, que também já foi levada ao município de Goiana (PE), vem sendo aprimorada com a aplicação do Índice de Progresso Social (IPS), metodologia que mede itens da qualidade de vida do território, de forma independente do desenvolvimento econômico.

No ano, foram investidos cerca de R$ 20 mil para apoio ao Diagnóstico de Educação realizado pelo Fórum Goiana. Nos encontros de Angatuba, foram priorizadas ações nas frentes de educação e sustentabilidade, como os encontros sobre Perspectivas do Mercado de Trabalho e sobre Cidades Sustentáveis, e a criação de um Geoparque no município, todos para serem realizados em curto prazo, e os projetos “Comunidade na Escola” e “Projeto Nascentes” para longo prazo.

Para 2020, a proposta (ainda não confirmada, tendo em vista as mudanças decorrentes da Covid-19) é a de que os fóruns sejam um dos espaços para debates de candidatos às prefeituras, a partir de temas levantados pelos grupos sobre desenvolvimento local.

Programa de Apoio à Gestão Pública

Expandimos o Programa de Apoio à Gestão Pública em 2019. As administrações municipais de Sapopema, Curiúva, Reserva e Tibagi tiveram ajuda de consultoria especializada para planejarem ações e gestão. O objetivo é buscar o equilíbrio das contas públicas, otimizando o uso de recursos. Em 2019, foram investidos R$ 520 mil para contratação desta consultoria. Imbaú, Telêmaco Borba e Ortigueira são atendidos desde 2017.

Matas Sociais, Planejando Propriedades Sustentáveis

Em julho, o programa foi ampliado para os municípios de Sapopema, Curiúva, São Jerônimo da Serra, Tibagi e Cândido de Abreu. A expectativa é de que mais 100 propriedades sejam atendidas na região. Em cinco anos, o Matas Sociais atendeu mais de 500 propriedades em Telêmaco Borba, Ortigueira, Imbaú e Reserva, todas no Paraná, com os seguintes resultados1:

    1. 66% dos agricultores reduziram o uso de agrotóxicos, devido à orientação dos consultores, busca por alternativas menos agressivas, diversificação da produção e perspectiva de acessar o mercado de orgânicos.
    2. 72% dos agricultores tiveram aumento de renda.
    3. Destes, 45% notaram incremento entre 20% e 60% no faturamento de suas propriedades.
    4. 79% investiram na propriedade
    5. 57% elevaram a produção de alimentos.
    6. 52% ampliaram a rede de comercialização em feiras locais para cooperativas, restaurantes e empresas. A produção dos agricultores está na merenda das escolas, em mercados da região e nas refeições das fábricas e área florestal da Klabin.
    7. Mais de 80% dos produtores consideram que o Programa trouxe benefício ou mudança para a propriedade em relação às questões ambientais
    8. Mais de 1700 hectares de Áreas de Preservação Permanentes e Reserva Legal foram demarcados desde o início do Programa até este relato.


1
Dados fazem parte de levantamento socioeconômico e ambiental, concluído em 2020, referente aos cinco anos de Projeto. Pesquisa foi feita com um grupo de 60 participantes do Matas Sociais.

Matas Legais

Há 12 anos, ajudamos produtores rurais do Paraná e de Santa Catarina a fazerem a adequação ambiental de suas propriedades. A iniciativa promove a conservação e a restauração de matas ciliares e reservas legais de pequenos produtores, o aumento de renda familiar e a sensibilização para as questões ambientais.

Municípios atendidos no Paraná: Arapoti, Assai, Bandeirante, Cândido de Abreu, Castro, Congoinhas, Conselheiro Mairinck, Curiúva, Figueira, Ibaiti, Imbaú, Jaboti, Jaguaraíva, Londrina, Mauá da Serra, Ortigueira, Pinhalão, Piraí do Sul, Reserva, Santa Bárbara, Santana do Itararé, Santo Antônio da Platina, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Tamarana, Telêmaco Borba, Tibagi, Tomazina, Urai, Ventania, Wenceslau Braz.

Municípios atendidos em Santa Catarina: Agrolândia, Alfredo Wagner, Bela Vista Toldo, Bocaina do Sul, Bom Retiro, Braço do Trombudo, Campo Belo do Sul, Canoinhas, Capão Alto, Cerro Negro, Correia Pinto, Curitibanos, Ibirama, Imbuia, Itaiópolis, Chapadão do Lajeado, Lages, Leoberto Leal, Major Vieira, Monte Castelo, Otacílio Costa, Painel, Palmeira, Papanduva, Petrolândia, Ponte Alta, Ponte Alta do Norte, Rio do Campo, Rio do Sul, Rio Rufi no, Santa Cecília, Salete, São Cristóvão do Sul, São José do Cerrito, Taió, Timbó Grande, Urubici, Urupema, Vidal Ramos.

Todos os produtores parceiros do Programa de Fomento Florestal Klabin participam do Programa Matas Legais.

Saiba mais sobre a iniciativa aqui

Em 2019, foram feitos investimentos de R$ 492.221,50 no Paraná e R$ 350.000,00 em Santa Catarina

EM 15 ANOS DE PROGRAMA

Mais de 1 mil propriedades atendidas

Cerca de 1 milhão de plantas doadas

Mais de 15 mil hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP) e Reserva Legal (RL) conservadas

Matas Legais no Paraná e Santa Catarina

 

2016 2017 2018 2019 Total acumulado 2005 – 20191
APPs e RL em regeneração 51 61 37 54 1.479
APPs e RL  conservadas 2.406 3.159 2.246 2.691 15.675
APPs e RL demarcadas – recuperadas  2.660 3.403 2.463 2.803 18.297

1O Programa Matas Legais teve início em 2005 em Santa Catarina e em 2008 no Paraná.

Programa de Apicultura e Meliponicultura

Em 2019, a iniciativa centrou esforços na capacitação de agentes multiplicadores para a prevenir e minimizar acidentes com abelhas e vespas durante atividades florestais (SSO Apicultura). Para incentivar a formação de novos apicultores, a oportunidade de participação foi aberta a colaboradores.

Em dezembro, o Dia de Campo em Apicultura e Meliponicultura teve aulas com professores renomados da região de Londrina para atualização de conhecimentos de criadores experientes. No ano foram produzidas 10,7 toneladas de mel, provenientes de 45 produtores de Ortigueira, Curiúva, Reserva, Ventania e Telêmaco Borba, no Paraná. Houve ainda a capacitação de 112 colaboradores, que passaram a integrar a brigada florestal. O programa recebeu investimentos de R$ 30 mil.

Desde o início do Programa foram produzidas e comercializadas 178,7 toneladas de mel

Programa de Certificação de Fornecedores de Madeira

O programa de Certificação de Florestas de parceiros da Klabin é uma iniciativa da Klabin que apoia a região na produção de florestas sustentáveis. Os fornecedores que estão de acordo em receber apoio para a certificação florestal de suas áreas passam por um processo intenso, durante um ano, de preparação documental e a campo, para a realização de uma auditoria externa com órgão certificador.

O processo de preparação durante 12 meses, que é custeado pela Klabin, permite que os pequenos fornecedores agreguem valor ao produto com a certificação FSC, facilitem a realização de negócios e melhorem a competitividade da cadeia de valor como um todo. Em Santa Catarina, são mais de 21 mil hectares certificados em mais de 15 municípios envolvidos. A primeira certificação em grupo FSC para pequenos produtores no estado foi conquistada com apoio da Klabin.

KLABIN AMBIENTAL

Projeto Klabin Caiubi

Em 2019, iniciamos a ampliação do Projeto para as comunidades próximas às fábricas de papelão ondulado. Trinta e cinco professores das escolas municipais Monsenhor Jessé Torres Cunha e Professora Josenita Nery Boaventura, em Feira de Santana (BA), participaram da capacitação. Progressivamente, escolas próximas a outras unidades tenham a iniciativa implementada.

No ano passado foram promovidas ainda duas edições do Programa em Correia Pinto (SC). A previsão é de que, em 2020, ocorram mais duas edições em municípios de atuação da empresa. Em Santa Catarina, o programa teve início em 2007 e, ao longo desses anos, beneficiou 572 escolas, 1.453 professores e 187.938 estudantes nas 32 etapas realizadas.

No Paraná, o Caiubi é realizado desde 2001. Só em 2019, capacitou 155 professores e coordenadores pedagógicos de 66 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil e envolveu 1.873 alunos. Indiretamente, mais de 12.700 alunos foram impactados.

Trilha Araucária Klabin

Está localizada no município de Correia Pinto, nas proximidades da empresa. Possui 1.260 m de extensão e é entremeada pela mata nativa das áreas florestais da Klabin. Desde 2007 tem como objetivo receber professores e alunos que participam do Programa Caiubi, além do público em geral. Os visitantes recebem informações de cunho ambiental, sobre a Klabin e sobre nossas ações socioambientais. Até agora, mais de cinco mil visitantes já conheceram a trilha.

Protetores Ambientais

Desde 2005, apoiamos o Programa Protetores Ambientais, iniciativa da Polícia Militar Ambiental de Santa Catarina, que visa à formação de pré-adolescentes para atuarem como multiplicadores em educação ambiental. Até agora 402 adolescentes já foram envolvidos no programa, em diversos municípios de nossa região de atuação. Em 2019, foram investidos R$ 22 mil na iniciativa. Em 2020, serão formadas mais duas turmas, totalizando 17 com o apoio da Klabin.

Klabin nas Escolas

O Programa tem o objetivo de informar estudantes dos ensinos Fundamental e Médio sobre a presença da operação da Klabin na região, quais são as atividades da empresa e como a comunidade está inserida neste contexto. Por meio de ações que envolvem palestras, exposições e experiências sensoriais, apresentamos todo o processo produtivo da Companhia, desde o plantio e colheita da matéria-prima até as rotinas do processo industrial. Um dos destaques é a revelação de que os papéis e embalagens fabricados pela empresa estão presentes no cotidiano dessas comunidades: caixas de leite, fraldas, sacos de sementes, por exemplo. O Klabin nas Escolas também leva aos estudantes noções sobre biodiversidade, sustentabilidade, segurança e cidadania. Desenvolvido há quatro anos, já alcançou mais de 5 mil alunos e visitou mais de 15 municípios do Paraná onde temos operações florestais. Só em 2019, foram 2.350 alunos impactados, em 9 municípios.

 

Projeto Crescer

Atuamos na capacitação continuada de colaboradores diretos e indiretos sobre questões ambientais, de saúde, gestão familiar, qualidade de vida e crescimento profissional, entre outros. O programa conta com a parceria do Sesi, com instrutores capacitados e que ministram palestras direcionadas ao público alvo das operações florestais. Foram investidos R$ 92,6 mil em Santa Catarina e R$ 75,9 mil no Paraná, abrangendo, respectivamente, 4 mil e 6.304 pessoas, entre colaboradores próprios e terceiros, em atividades diversas.

Programa de Resíduos Sólidos

Desde 2012, o Programa de Resíduos Sólidos tem como objetivo apoiar a gestão dos resíduos sólidos em seis municípios no Paraná: Imbaú, Ortigueira, Reserva, Tamarana, Tibagi e Telêmaco Borba, fornecendo estruturas e equipamentos, auxiliando na formalização das associações e cooperativas e realizando atividades de acompanhamento, capacitações e fortalecimento institucional para 290 catadores de materiais recicláveis.

O Programa também atuou na sensibilização do poder público e comunidades para melhoria da coleta seletiva nos municípios e na distribuição de sacolas ecológicas para 13.200 residências para implantação de metodologia da coleta seletiva nos municípios.

Outra frente do programa é a formação de educadores para a abordagem de conceitos de coleta seletiva e reciclagem nas escolas. Além disso, a Klabin vem auxiliando o Consórcio Caminhos do Tibagi no processo de licenciamento ambiental do novo Aterro Sanitário Consorciado que já está em fase de implantação.

Seu lixo tem futuro! Clique aqui e confira.

Klabin Educação

Klabin Semeando Educação

Após alcançar bons resultados na rede estadual, o programa foi estendido à rede municipal. O primeiro evento de sensibilização ocorreu em agosto e reuniu cerca de 700 pessoas de Telêmaco Borba, Imbaú e Ortigueira. Nessa nova fase, a iniciativa deverá beneficiar 11 mil alunos, de zero a dez anos, e mil professores, de 65 escolas das áreas urbana e rural dos três municípios. Por ano, são investidos R$ 400 mil no programa. Entre 2015 e 2017, as escolas estaduais desses mesmos municípios apresentaram evolução média de 25% no Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), calculado com base no aprendizado dos alunos em Português e Matemática (Prova Brasil) e no fluxo escolar (taxa de aprovação). O crescimento é maior do que a média do Paraná e do Brasil.

Nossa Língua Digital

Voltado para jovens de 13 a 18 anos, busca aprimorar as habilidades de comunicação oral e escrita de filhos de colaboradores e moradores de Telêmaco Borba (PR). Sua metodologia usa as novas tecnologias da informação e comunicação para tratar de temas abordados pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU e pelo ENEM.

Desde 2009, 1.115 alunos já foram formados, em 21 semestres.

Terra Viva

A Terra Viva Associação de Voluntários organiza e promove ações de cidadania e solidariedade voltadas a crianças e jovens em situação de desigualdade social ou com deficiência física e idosos, com o apoio de colaboradores da Klabin e seus familiares. São ações como orientação de jovens na busca pelo primeiro emprego, com o Programa Investir Vale a Pena (IVP), em São Paulo, e em diversos estados com ações de doação de sangue, arrecadação de agasalhos e alimentos.

Klabin cultural

Meninas Cantoras da Klabin

Coral formado por filhas de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira. São 70 meninas, com idades entre 7 e 17 anos, que aprendem prática do canto coral, noções de teoria musical, ritmo e técnica vocal. O repertório tem canções eruditas, populares folclóricas e natalinas.

O projeto inspirou a criação, em 2019, do Coral de Imbaú, formado por meninas com até 18 anos de idade atendidas pelo Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de Imbaú. As jovens têm aulas de teoria e prática musical e também aprendem a tocar instrumentos. O projeto tem parceria com a Secretaria de Ação Social de Imbaú.

Saiba mais sobre os projetos da Klabin aqui.

Klabin Passo Certo

Criado em parceria com o Studio 3 Cia. de Dança, oferece aulas de dança contemporânea e capoeira para crianças e adolescentes, filhos de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira. Em 2019, beneficiou 181 pessoas. Desde sua fundação, em 2008, já acolheu mais de mil integrantes.

Outros destaques

 

Em julho de 2019, ampliamos a transmissão do programa de rádio Minuto Klabin para 12 emissoras, com alcance em 30 municípios de Santa Catarina. No Paraná, o programa está em 10 emissoras de rádio e um site, com abrangência em 28 cidades. A ferramenta de comunicação aproxima a Klabin das comunidades onde há operações florestais, compartilhando informações sobre atividades econômicas, ambientais e sociais da Companhia na região, reforçando os projetos, produtos e compromissos. Klabin na Comunidade esteve nas áreas rurais de oito municípios: Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Reserva, Tibagi, Ventania, Sapopema e Curiúva. As feiras itinerantes são realizadas em locais públicos e convidam a população a conhecer de perto nosso processo produtivo, projetos sociais e ambientais.

Projetos desenvolvidos pela Klabin 

Projeto ou atividade
 
Localidades Andamento Impactos positivos e negativos (atuais ou esperados) Investimentos e serviços (comerciais, em espécie ou gratuitos) Volume, custo e duração de cada investimento Medida em que diferentes comunidades ou economias locais são impactadas ODS relacionado Pilar da Plataforma de Investimento Social Privado Klabin
Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis Ortigueira, Imbaú, Telêmaco Borba, Reserva, Cândido de Abreu, Curiúva, Sapopema, São Jerônimo da Serra e Tibagi Fortalecimento de cadeias produtivas, adequação ambiental de propriedades e apoio à gestão em funcionamento de associações e cooperativas.

 

Expansão do programa para Cândido de Abreu, Curiúva, Sapopema, São Jerônimo da Serra e Tibagi. Atuação focada na articulação institucional, definição dos novos grupos e início dos atendimentos.

 

Ampliação da rede de comercialização.

 

Adequação ambiental de propriedades rurais, atendendo a legislação ambiental.

 

Definição e estruturação de Unidade de Referência (propriedades modelo) nos novos municípios.

 

Aquisição de equipamentos para apoio e potencialização da produtividade das principais cadeias produtivas (cessão de uso com as cooperativas) e contratação de consultoria de apoio ao empreendedorismo e adequação ambiental. Valor total da compra de equipamentos: R$90.000,00.

 

Contratação de consultoria: R$ 1.355.995,00.

 

Investimento realizado durante todo o ano do ciclo.

 

72% dos agricultores tiveram aumento de renda

79% investiram na propriedade

57% elevaram a produção de alimentos

52% ampliaram a rede de comercialização.

 

66% dos agricultores reduziram a utilização de agrotóxicos.

 

Mais de 80%percebem melhora ambiental na  propriedade.

 

2, 11, 15, 17

 

 

Desenvolvimento Local
Apoio à Gestão Pública

 

Monitoramento da execução das ações planejadas pelas prefeituras durante o ciclo 2018-21.

Expansão do programa para Sapopema, Curiúva, Reserva e Tibagi.

Equipes gestoras das prefeituras capacitadas por meio da instrumentação em planejamento público.

Eficiência orçamentária dos municípios.

 

Oferecimento gratuito às prefeituras, com a contratação de consultoria especializada em gestão pública.

 

O programa tem duração e é renovado anualmente.

 

Em 2019 foram investidos R$ 520.000,00 para contratação da consultoria.

 

Indicadores medidos conforme desempenho de eficiência orçamentária do município. 16, 17 Desenvolvimento Local

 

Fórum de Desenvolvimento Local Otacílio Costa (SC), Correia Pinto (SC), Goiana (PE), Angatuba (SP) Continuação dos fóruns de Correia Pinto e Otacílio Costa (SC) – 4º ano

 

Goiana (PE) – 3º ano.

 

Início do Fórum de Angatuba (SP) – 1º ano.

Impactos esperados estão ligados aos resultados das ações coordenadas conforme a necessidade levantada por cada Fórum (Educação, Saúde, Meio Ambiente, Desenvolvimento local, Cultura). Manutenção do fórum (consultoria que organiza as atividades dos Fóruns); pequenos apoios (lanches, convites, transportes, divulgação etc); projetos específicos (de acordo com o priorizado pelo grupo e a Plataforma de Investimento Social Privado Klabin) R$ 230.000,00 para a consultoria.

 

R$ 20.676 mil reais para apoio no Diagnóstico de Educação realizado pelo Fórum Goiana em ação.

As entregas das ações propostas pelo Fóruns possuem impacto de médio-longo prazo a ser medido pela reaplicação do Índice de Progresso social. As medidas anuais variam de políticas públicas criadas a partir da articulação do grupo, a formações, ações de sensibilização entre outras formas de engajamento 11,16, 17 Desenvolvimento Local
Projeto Respeitar é Preciso! Goiana (PE) Implementação de diagnóstico situacional da rede educacional de Goiana (PE), que apontou para plano de ação de projeto de educação em direitos humanos Enfrentamento de um dos problemas estruturais apontados pela pesquisa (infraestrutura e conflitos na comunidade escolar) Contratação de serviço de consultoria especializada em gestão de programa público de educação em direitos humanos R$ 535.000,00 para consultoria realizar diagnóstico situacional; formações da rede de técnicos, gestores e professores; elaboração de material didático para toda rede e realização de Seminário regional Casos denunciados e encaminhados de violência na comunidade escolar, tanto pela Secretaria de Educação quanto pela Vara da Criança e do Adolescente

 

4,10, 17 Educação
Klabin Semeando Educação Início da fase municipal do projeto, de suporte ao ensino infantil e fundamental.

 

Visita a 65 escolas para composição do diagnóstico de cada.

Melhoria no desempenho dos alunos na Prova Paraná que, acontece 3 vezes ao ano. Serviço gratuito para escolas da rede municipal de Telêmaco Borba, Imbaú e Ortigueira, os quais são considerados Área de Influência Direta pela empresa.  R$ 400 mil /ano. Primeira aferição no nível municipal ocorrerá em 2020 4, 17 Educação
Escola Técnica de Educação Profissional Agrícola e Florestal de Ortigueira Oferecimento do curso técnico em Operação de Máquinas, Manutenção de Máquinas Pesadas e Técnico em Agronegócio nas modalidades integral (com Ensino Médio integrado) e Subsequente. O projeto pedagógico do Centro é baseado no modelo escandinavo, com um sistema de educação de qualidade e referência que traz diversos benefícios para a comunidade, principalmente no que se refere à empregabilidade e mercado de trabalho. Os investimentos para implantação do CEEP são fruto de parceria entre a Klabin, o Governo do Estado do Paraná e o Município de Ortigueira. O CEEP é mantido pelo Governo do Estado como instituição pública. Investimento total de R$ 35 milhões Matrícula de 170 alunos (80% de alunos locais e 20% regionais) que estão cursando as primeiras turmas do CEEP, cujo ano letivo começou em fevereiro de 2020 4, 8, 17 Educação
Logística regional

 

Investimento próprio, ou em parceria com prefeituras e governo estadual, na revitalização de estradas rurais e importantes vias pavimentadas

 

Escoamento de bens e serviços de maneira eficiente e promovendo o desenvolvimento local, além da manutenção de estradas locais

 

Investimento próprio em manutenção das estradas, fundamentada em protocolo de intenções com o governo do estado

 

Em 2019, a Klabin investiu cerca de R$ 89 milhões, em estradas de municípios do Paraná, Santa Catarina e São Paulo

 

Eficiência para escoamento de bens, fundamentais para atividade florestal.
A manutenção de estradas possibilita melhor circulação de membros das comunidades com mais rapidez no acesso a serviços e segurança
12, 17

 

Desenvolvimento Local

Crescimento integrado e responsável

Cientes dos impactos nos territórios em que atuamos, trabalhamos em parceria com os governos para melhorar a infraestrutura local. Em 2019, firmamos acordos junto ao Governo do Paraná, com foco na implantação do Projeto Puma II, em Ortigueira (PR).

Previsão de investimentos de até
R$ 450 milhões,
via antecipação de ICMS, em infraestrutura logística e rodoviária, com foco em melhorias nas malhas viárias existentes na região de influência do Projeto, localizado em Ortigueira (PR).

Klabin e a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (SEIL) trabalharão no planejamento e detalhamento das obras e cronogramas. Os projetos devem ser executados entre 2020 e 2024.

Já o Governo do Paraná prevê a complementação de efetivos do batalhão da Polícia Militar, Corpo de Bombeiro e Polícia Civil; a implantação de Instituto Médico Legal (IML), Delegacia Cidadã e Centros de Socioeducação (CENSE); e o funcionamento do Hospital Regional de Telêmaco Borba.

Impactos econômicos indiretos significativos

GRI 203-2

Impactos Descrição dos impactos econômicos indiretos positivos Descrição dos impactos econômicos indiretos negativos
Mudanças na produtividade de organizações, setores ou da economia como um todo (como por meio da adoção ou distribuição mais intensas de tecnologias da informação) A Klabin desenvolve estudos voltados à adoção de alternativas ao plástico de uso único, o que aumenta os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de embalagens mais sustentáveis. O tempo de pesquisa e desenvolvimento não acompanha o ritmo acelerado da evolução do mercado, causando excesso de demanda e encarecimento da oferta.
Desenvolvimento econômico em áreas com alto índice de pobreza (como o número total de dependentes sustentados pela renda de um único emprego) Geração de renda em comunidades com poucas oportunidades de trabalho e baixo índice de qualidade de vida. Dependência econômica da comunidade pela Companhia, repassando solicitações à empresa que deveriam ser endereçadas ao poder público.
Impacto econômico da melhoria ou deterioração das condições sociais ou ambientais (como mudanças no mercado de trabalho em uma área de pequenas propriedades rurais familiares convertidas em grandes plantações ou o impacto econômico da poluição) Geração de renda em comunidades por meio do incentivo à permanência no campo e produção de orgânicos, impulsionado por projetos como o Matas Sociais, Matas Legais e Programa de Apicultura e Meliponicultura. Não identificados impactos nessa frente.
Fortalecimento das habilidades e conhecimentos de uma comunidade profissional ou em uma região geográfica (como a necessidade de uma base de fornecedores atrai empresas com empregados qualificados, o que, por sua vez, estimula a criação de novas instituições de ensino) No ciclo 2018, foi feito o planejamento e primeiros passos para a implantação de novos cursos técnicos em Ortigueira em 2019. Isso traz acesso à educação formal e possibilidade de incremento de renda. Não identificados impactos nessa frente.
Número de postos de trabalho oferecidos na cadeia de fornecedores ou distribuição (como o impacto no emprego em fornecedores como resultado do crescimento ou contração de uma organização) Mais de 30% do quadro de pessoal da Klabin é composto por colaboradores indiretos (ver GRI 102-8), sendo uma prática interna priorizar recrutamento local. Isso possibilita movimentação na microeconomia regional e atração de investimentos em infraestruturas.

No Projeto Puma II, até dezembro de 2019, cerca de 80% dos trabalhadores são do Paraná; destes, 60% eram da região de Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú. Destaca-se, ainda, a formação da mão de obra local com a oferta de cursos de qualificação profissional para estudantes e trabalhadores que moram nas cidades próximas à operação.

Possibilidade de aumento da desigualdade de renda, pela impossibilidade estrutural de fornecer vagas a uma parcela considerável da população, cujas oportunidades de trabalho não têm benefícios equiparáveis às da Klabin; e pelo caráter temporário das vagas da obra do Projeto Puma II.

 

Impacto econômico de mudanças no local de operações ou atividades (como a terceirização de empregos para um local no exterior) Não foram identificados impactos nessa frente. Dependendo do tamanho da operação e dependência econômica do município, os impactos são grandes. Entretanto, há possibilidades de mudança após estudo detalhado que contempla impacto econômico e medidas cabíveis de mitigação.
Impacto econômico do uso de produtos e serviços (como a relação entre padrões de crescimento econômico e uso de determinados produtos e serviços) Não se aplica Não se aplica

Número total e percentual de operações submetidas a avaliações de impacto ou análises em direitos humanos, por país

GRI 412-1

Operações 2017 2018 2019
Número total de operações 18 18
Número total de operações que foram submetidas a avaliações de impacto ou análises em direitos humanos 6 6
Percentual de operações que foram submetidas a avaliações de impacto ou análises em direitos humanos 31% 33,33% 33,33%

Porcentagem de operações com engajamento na comunidade local implementado, avaliações de impacto e/ou programas de desenvolvimento

GRI 413-1

Tipo de iniciativa Número de operações que possui cada iniciativa Percentual Observações e comentários
2019
Número Percentual  
i. Avaliações de impactos sociais, inclusive avaliações de impactos de gênero, com base em processos participativos* 6 33,33% Unidades Monte Alegre, Puma, Otacílio Costa, Correia Pinto, Goiana e Angatuba*
ii. Avaliações de impactos ambientais e monitoramento contínuo 18 100,00%
iii. Divulgação pública dos resultados de avaliações de impactos ambientais e sociais 17 94,44% Todas as unidades, exceto Pilar (Argentina)
iv. Programas de desenvolvimento local baseados nas necessidades de comunidades locais* 6 33,33% Unidades Monte Alegre, Puma, Otacílio Costa, Correia Pinto, Goiana e Angatuba1
v. Planos de engajamento de stakeholders baseados em mapeamentos dessas partes* 11 61,11% Unidades Monte Alegre, Puma, Otacílio Costa, Correia Pinto, Goiana, Angatuba*, Piracicaba, Rio Negro, Manaus, Jundiaí Tijuco Preto e Jundiaí Distrito Industrial **
vi. Comitês e processos de consulta ampla à comunidade local incluindo grupos vulneráveis* 6 33,33% Unidades Monte Alegre, Puma, Otacílio Costa, Correia Pinto, Goiana e Angatuba*
vii. Conselhos de trabalho, comissões de saúde e segurança no trabalho e outras entidades representativas de empregados para
discutir impactos
18 100,00%
viii. Processos formais de queixas e reclamações por parte de comunidades locais 18 100,00%

*Neste cálculo é considerado o total de unidades industriais que integrem iniciativas concomitantes de: avaliação de impactos sociais; mapeamento e plano de engajamento de stakeholders; e comitês e processos de consulta às comunidades locais com base em processos participativos. O cálculo utilizado para os percentuais de 33,3% aqui marcados consideram apenas o número absoluto de unidades que integrem estas três iniciativas sobre o total de operações. No entanto, reforçamos que estas 6 unidades enumeradas:
– configuram mais de 80% em termos de representatividade operacional (unidades Monte Alegre, Puma, Otacílio Costa, Correia Pinto, Goiana e Angatuba);
– estão localizadas em 100% dos municípios de territórios priorizados (zona 1) pela plataforma de investimento social privado da companhia;
– contam com planejamentos de médio e longo prazo e metas que consideram indicadores de desenvolvimento local.

**Essas cinco unidades do negócio de embalagem também foram inclusas processo de mapeamento e plano de engajamento de stakeholders em 2019.

Operações com impactos potenciais significativos ou impactos negativos reais sobre as comunidades locais

GRI 413-2

Nosso gerenciamento de impactos inclui o mapeamento, elaboração de matrizes e iniciativas específicas para controle e/ou mitigação. Além disso, por meio do diálogo constante e transparente, promovemos o engajamento das comunidades nas regiões onde atuamos.

Nas unidades florestais do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, a matriz de impactos, que permite a análise de impactos socioambientais das operações florestais e industriais é feita juntamente com os colaboradores da área florestal.

Controle da poeira

Um dos destaques de 2019 é a diminuição de 21% das reclamações sobre poeira em nossos canais de comunicação com a comunidade.

As medidas para reduzir esse tipo de emissão causada pelo tráfego durante as atividades de colheita, por exemplo, envolvem umectação das vias, investimento em estradas, planejamento de rotas e procedimentos que limitam os horários de operação.

A umectação está sendo feita com melhor planejamento: levantamos os detalhes de todos os transportes que serão feitos e, a partir dessas informações, prevemos a locação de caminhões-pipa ou mesmo o asfaltamento de trechos.

Impactos negativos significativos reais e potenciais das operações

Impactos reais – Geração de ruído;

– Mau cheiro (odor);

– Danos às estradas (terra);

– Danos em cerca/vizinhos;

– Rompimento de canos de água;

– Resíduos deixados em local inadequado;

– Aumento de fluxo/tráfego em comboio (dificuldade para o tráfego de veículos);

– Geração de poeira;

– Rompimento de fios (eletricidade ou telefonia);

– Deriva de herbicida em áreas vizinhas;

– Risco ao patrimônio de terceiros (queda de árvores e galhos);

– Sombreamento de culturas e residência;

– Risco de acidentes (excesso de velocidade e demais desvios).

Impactos potenciais – Alteração de fluxos migratórios (êxodo rural);

– Impedimento para o tráfego de veículos;

– Formação de erosão em área de terceiros;

– Impedimento para o tráfego de veículos;

– Limpeza de carga na estrada (obstrução de saídas de água/danos na estrada);

– Risco de acidentes;

– Vibração (danos a residências);

– Colheita indevida de plantios vizinhos;

– Impacto visual;

– Contaminação de cursos d´água;

– Disponibilidade hídrica;

– Danos a nascentes de água (assoreamento)

Novidade

Em 2020, faremos um novo estudo de linha de Base do Território, abrangendo 15 municípios da região de Campos Gerais. Entre as atividades previstas está o desenvolvimento do Índice de Progresso Social (IPS), que leva em conta a expansão florestal da Companhia e da Unidade Puma.

O índice permite mensurar o nível de progresso social (desenvolvimento social e ambiental), sempre tentando responder em que medida cada território é capaz de prover condições adequadas para seus habitantes.

A iniciativa terá como parceiros a Fundación Avina, Consultoria de Interação Urbana e Diferencial Pesquisa de Mercado.

Comunidades tradicionais

GRI 411-1

 

A empresa faz o mapeamento de todas as comunidades tradicionais em sua área de influência, como quilombolas, faxinalenses (comunidades do Paraná que habitam pequenos territórios e vivem de sua relação com a floresta) e indígenas. No relacionamento com elas, segue a legislação brasileira e as recomendações da OIT 169, resolução da Organização Internacional do Trabalho sobre Povos Indígenas e Tribais, garantindo seu direito ao consentimento livre, prévio, informado (FPIC).

Em 2019, avançamos na Fase II do mapeamento de comunidades tradicionais em nosso território de atuação no Paraná (municípios de operação industrial e florestal). A atualização de dados teve início em 2017 e tem como objetivo identificar possíveis novas comunidades e aprofundar relações e conhecimento sobre aquelas que já constavam em nosso levantamento. Em 2019, não houve casos de violação de direitos dos povos indígenas e das comunidades tradicionais.

Mapeamento e resultados

Diploma na mão

Em dezembro de 2019, cinco jovens da comunidade indígena Tibagy-Mococa, na região de Ortigueira (PR), se formaram em pedagogia e odontologia. Os recém-formados fizeram parte da primeira turma de bolsistas universitários que está contemplada no Plano Básico Ambiental Indígena (PBAI) da Klabin, condicionante da construção da Unidade Puma.

Além de oferecer materiais pedagógicos durante o curso, o Programa de Bolsas de Estudos conta com uma tutoria que avalia periodicamente o engajamento e as necessidades da rotina acadêmica dos bolsistas.

O investimento é resultado de processo participativo de consulta envolvendo a Klabin, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e as comunidades indígenas.