Promoção do Desenvolvimento Local e Relacionamento com Comunidades

PAUTADA PELA PLATAFORMA DE INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO, A ATUAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA KLABIN ENGLOBA INICIATIVAS DE DIÁLOGO, ENGAJAMENTO, GESTÃO DE IMPACTOS NAS COMUNIDADES, AÇÕES DE EMPODERAMENTO E PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO

Objetivos de
Desenvolvimento
Sustentável

<i>4 - </i>Quality education 4 - Educação de qualidade
<i>16 - </i>Peace and justice 16 - Paz e justiça

—  Atenção às pessoas e ao território

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

Gerar impacto socioambiental positivo e promover o relacionamento com as comunidades vizinhas estão entre os objetivos da atuação socioambiental da Klabin, cujas diretrizes são pautadas pela Plataforma de Investimento Social Privado, que sistematiza os investimentos da empresa em quatro linhas de atuação – educação, desenvolvimento local, educação ambiental e desenvolvimento cultural – e dois grandes eixos: território e pessoas.

A promoção do desenvolvimento local e do relacionamento com as comunidades envolve a avaliação e a mitigação de impactos reais e potenciais relacionados às atividades da empresa, o engajamento com stakeholders para identificação de expectativas e necessidades, as iniciativas de diálogo e de empoderamento local e os projetos de desenvolvimento socioambiental, cujos detalhes são apresentados ao longo deste capítulo. A gestão desses temas está fundamentada na Política e na Visão de Sustentabilidade da Klabin e na Política de Engajamento com Stakeholders.

 


Todos os programas que integram esta plataforma, aqui descritos, terão continuidade em 2018.

—  Engajamento começa na empresa

A estruturação da Gerência de Relações com a Comunidade no Paraná em 2016 trouxe mais governança ao tema na empresa, permitindo promover o engajamento de colaboradores para a atuação socioambiental da Klabin, focada no desenvolvimento do território e das pessoas. Em 2017, 44 colaboradores receberam treinamentos sobre relações com a comunidade.

Nas comunidades

(GRI 413-1)

Em cinco unidades fabris, que representam 31% do total de operações da empresa, a Klabin realiza o engajamento contínuo de membros da comunidade local. São elas: as Unidades Puma e Monte Alegre, no Paraná, e as unidades de Correia Pinto e Otacílio Costa, em Santa Catarina,  além de Goiana, em Pernambuco. Nestas três últimas, a Klabin vem fomentando programas de desenvolvimento local, incentivando a criação de Fóruns de Diálogo nas comunidades, e estabelecendo planos de desenvolvimento local sustentável para as cidades.

—  Investimento social

Os programas desenvolvidos pela Klabin nas comunidades onde está presente, com foco nas áreas de saúde, cultura, educação, esporte, lazer e meio ambiente, totalizaram R$ 22,4 milhões em 2017, dos quais R$ 5,6 milhões foram viabilizados com leis de incentivo (Lei Ancine, Lei Rouanet e Lei do Desporto). (GRI 203-1)

 

—  Investimentos do Puma

No período abrangido por este relatório, a Klabin também encerrou o ciclo de investimentos sociais do Projeto Puma – que deu origem à Unidade Puma, em Ortigueira (PR) – totalizando R$ 30 milhões desde 2013, financiados  pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Entre as iniciativas em 2017, destacam-se a inauguração do Parque da Cidade, em Telêmaco Borba, com 1,5 quilômetro de ciclovia e pista de caminhada, e do Centro Cultural Queimadas: um teatro com capacidade para 350 pessoas, em Ortigueira.

—  Um impulso à dinâmica socioeconômica

(GRI 203-2)

Além de gerenciar riscos e impactos potenciais e reais das operações, a Klabin também atua para potencializar impactos positivos de suas atividades no território e impulsionar o desenvolvimento econômico e social. Os 13 municípios da área de influência direta e indireta da Unidade Puma, no Paraná, por exemplo, recebem o apoio da Klabin no desenvolvimento de seus Planos Plurianuais (PPAs). Doze municípios da área, responsáveis pelo abastecimento de madeira das unidades Monte Alegre e Puma, receberam um diagnóstico com Diretrizes para o Desenvolvimento Territorial. Iniciativas como o Programa de Apicultura e Meliponicultura e Matas Sociais também contribuem para o incremento de renda e diversificação da produção.

O Comitê de Monitoramento Antrópico, criado em função do Projeto Puma para acompanhar os indicadores socioeconômicos dos municípios de influência durante o período de obras, manteve suas atividades em 2017, quando foram realizadas duas reuniões com representantes das comunidades de Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú (PR). Outro exemplo está na Unidade Goiana (PE), onde foi implantado o Fórum de Desenvolvimento Local nos mesmos moldes dos já realizados em Santa Catarina, com aplicação de metodologia inovadora, do Índice de Progresso Social.

Veja mais sobre esta e outras iniciativas ao longo deste capítulo.

>> o CICLO DE INVESTIMENTOS SOCIAIS DO PROJETO PUMA TOTALIZOU R$ 30 MILHÕES DESDE 2013 <<

—  KLABIN EDUCAÇÃO

Iniciativas para o aprimoramento da educação, práticas esportivas e cidadania compõem as ações da Klabin no pilar Educação. Os projetos têm foco na  formação de professores e alunos de todas as etapas do ensino (infantil, fundamental, médio, técnico e contraturno escolar) e na melhoria da infraestrutura das escolas. São exemplo os projetos Semeando Educação, Crescer Lendo e as ações da Associação Terra Viva, que incentiva o voluntariado entre os colaboradores da Klabin.

Projeto Crescer Lendo

Em parceria com a organização United Way Brasil e o Instituto Avisa Lá, a iniciativa promove a formação de profissionais do ensino infantil e a instalação de bibliotecas infantis em escolas municipais. Desde seu início, em 2014, já alcançou 26 municípios de oito estados em que a Klabin mantém operações. Mais de 10 mil crianças já foram impactadas. Também foram capacitados mais de 600 profissionais do ensino infantil (professores, técnicos de secretarias de educação, diretores e coordenadores pedagógicos) e mais de 15 mil livros foram doados.

Projeto Klabin Semeando Educação

Programa que oferece consultoria a diretores, pedagogos e professores de 31 escolas públicas estaduais, compartilhando método, boas práticas e ferramentas para melhoria de indicadores de gestão escolar, incluindo formações sobre liderança e ampliação da participação da comunidade escolar. É realizado nos municípios de Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú, no Paraná, e conta com apoio da consultoria Falconi e colaboradores da Klabin que atuam como facilitadores.  O programa foi criado em 2017 e, no período, ofereceu formação para mais de 140 gestores escolares, beneficiando mais de 11 mil alunos.

Terra Viva

A Terra Viva Associação de Voluntários da Klabin, entidade sem fins lucrativos, foi criada em 2003 e desde então organiza e promove ações de cidadania e solidariedade com o apoio de colaboradores e seus familiares. Os projetos podem ser pontuais, como arrecadações de agasalhos, alimentos, leite, doação de sangue, e outras ações relacionadas a datas comemorativas; ou educacionais, a exemplo de orientação na busca do primeiro emprego e aulas técnicas e criativas, como cursos de violão, idiomas, informática, entre outros. Os públicos atendidos vão de crianças e jovens em situação de risco social ou com deficiência física a idosos.

 

—  KLABIN PELO DESENVOLVIMENTO LOCAL

Acreditando no empoderamento econômico, social e cultural das comunidades como caminho para o desenvolvimento das localidades em que atua, as iniciativas de investimento social da Klabin fortalecem as habilidades, os conhecimentos e as potencialidades de cada território. Destacam-se os Fóruns de Desenvolvimento da Comunidade, os programas Matas Legais e Planejando Propriedades Sustentáveis (Matas Sociais), além do projeto de Meliponicultura e Apicultura.

Fóruns da Comunidade

Em 2017, a Klabin ampliou o Fórum de Desenvolvimento Local, com a implantação da iniciativa em Goiana (PE). O projeto, que teve início em 2015 nos municípios catarinenses de Correia Pinto e Otacílio Costa, foi aprimorado. Nessa nova fase do Fórum, a Klabin aplicou o Índice de Progresso Social (IPS), metodologia que mensura itens da qualidade de vida do território, de forma independente do desenvolvimento econômico, permitindo identificar de forma mais eficiente a realidade do município e indicar as prioridades a serem trabalhadas no Fórum. Saiba mais sobre o IPS no site (www.progressosocial.org.br).

A proposta do Fórum, que envolve diversos atores da sociedade civil organizada, é a de que todos juntos possam buscar um novo modelo de gestão do território com base na discussão de soluções para as questões locais. Nesses fóruns, a empresa não tem papel de protagonista, mas atua como um dos atores, da mesma forma que os demais, interessados em encontrar respostas capazes de contribuir para o desenvolvimento local sustentável. Leia mais em “Boa prática”, ao fim deste capítulo.

Matas Legais

Desenvolvido em parceria com a Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi), o Matas Legais consiste em ações de planejamento da propriedade rural, conservação, educação ambiental e fomento florestal nos estados do Paraná e de Santa Catarina. Pequenos e médios proprietários são orientados para atuar de forma mais eficiente, rentável e ecológica. Os produtores fazem cursos, mutirões, visitas de intercâmbio e recebem gratuitamente mudas de plantas nativas. O programa também incentiva a silvicultura com florestas plantadas, tanto com pínus e eucalipto quanto com espécies nativas; o enriquecimento de florestas secundárias; a recuperação de matas ciliares, auxiliando a conservação de fontes hídricas; a agricultura orgânica e o ecoturismo.

Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis

Busca auxiliar agricultores familiares de Ortigueira, Telêmaco Borba e Imbaú (PR) na realização do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Plano de Recuperação Ambiental (PRA, no planejamento sustentável e na diversificação do uso da propriedade. Dessa forma, incentiva a agricultura familiar, a permanência no campo, o desenvolvimento da cadeia de produção e consumo na região e o empreendedorismo. Conta com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da organização internacional The Nature Conservancy (TNC) e da Apremavi.

Em 2017, a iniciativa beneficiou 84 novas propriedades, totalizando 338 atendidas desde junho de 2015. Um dos destaques do ano foi o início da comercialização de parte da produção agrícola dos integrantes do programa para a fornecedora de refeições nas unidades da Klabin no Paraná. Uma das produtoras rurais ainda incrementou a renda familiar comercializando cestas de produtos orgânicos por uma rede social. Os produtores também receberam gratuitamente insumos agrícolas provenientes da Unidade de Tratamento de Resíduos da Klabin (veja mais em Meio Ambiente). (GRI 203-2)

>> O MATAS SOCIAIS INCENTIVA A AGRICULTURA FAMILIAR, DESENVOLVIMENTO DA CADEIA DE PRODUÇÃO E O EMPREENDEDORISMO <<

 

Programa de Apicultura e Meliponicultura

Por meio deste programa, que teve início em 2005, a Klabin cede suas florestas para a criação de abelhas por famílias de pequenos e médios produtores rurais. Além de reforçar a renda familiar, o programa beneficia a conservação da biodiversidade e dos ecossistemas, já que as abelhas fazem a polinização das espécies vegetais, melhorando a produtividade de outras culturas.

Em 2017, o programa atingiu produção recorde de 40 toneladas de mel, provenientes de produtores de Ortigueira e Telêmaco Borba, no Paraná. Desde o seu início, foram produzidas e comercializadas 143 toneladas de mel. A iniciativa tem parceria com a Associação de Apicultores de Telêmaco Borba e com a Cooperativa Caminhos do Tibagi.  Em 2018, o programa foi estendido aos municípios de Otacílio Costa (SC) e Angatuba (SP). (GRI 203-2)

Apoio à gestão pública

Partindo do princípio que um planejamento de ações eficiente e uma boa gestão pública são fundamentais para impulsionar o desenvolvimento local, a Klabin, em linha com a sua Política de Sustentabilidade, apoiou os municípios de Imbaú, Telêmaco Borba e Ortigueira, no Paraná, na construção dos Planos Plurianuais (PPA). Por meio de uma consultoria especializada contratada pela empresa, as prefeituras fizeram seu planejamento, definindo projetos prioritários para o período de 2018 a 2021. O PPA, previsto no artigo 165 da Constituição Federal, é um plano de médio prazo que estabelece diretrizes, objetivos e metas a serem seguidos pelos governos federal, estadual ou municipal ao longo de quatro anos.

Diretrizes de Desenvolvimento Regional

Em 2017, a Klabin também apresentou as Diretrizes de Desenvolvimento Regional (DDR) aos 12 municípios da região dos Campos Gerais, que haviam se organizado para receber o incremento de arrecadação do ICMS da Unidade Puma, em Ortigueira. O trabalho de identificação das diretrizes, feito em 2016 por uma consultoria contratada, fez parte do Plano de Ação Socioambiental do Projeto Puma.

As DDR foram divididas em dimensões estratégicas e servem de guia aos municípios para atuar em conjunto na melhoria de seus indicadores, orientando as prioridades em quatro eixos estabelecidos para o desenvolvimento sustentável: econômico, social, ambiental e institucional.

Os 12 municípios contemplados nas Diretrizes do Desenvolvimento Regional são Cândido de Abreu, Congonhinhas, Curiúva, Imbaú, Ortigueira, Reserva, Rio Branco do Ivaí, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Telêmaco Borba, Tibagi e Ventania. A efetivação da divisão do ICMS adicional da Unidade Puma aos municípios ainda depende de algumas questões em discussão entre eles. Em 2017, foram realizadas duas reuniões do comitê gestor responsável pelo tema.

Em 2018, a empresa deve aprovar o Programa Klabin de Apoio ao Desenvolvimento Regional no Paraná, definindo dentre as 27 diretrizes apontadas no estudo aquelas em que vai liderar a ação territorial. Além disso, a Klabin participará da estruturação de programas e projetos para implantar as demais diretrizes nos 12 municípios.

Em Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú, onde as atividades de Planejamento Estratégico da Gestão e respectivo monitoramento já foram realizadas em 2017,  a ênfase será dada ao Monitoramento da execução do Plano Plurianual. O trabalho visa a capacitar as equipes gestoras das prefeituras, apresentando instrumentos de planejamento público para obtenção de resultados e metas para uma gestão governamental cada vez mais eficiente. Também objetiva estabelecer e consolidar ferramentas e procedimentos para o monitoramento do Planejamento Estratégico de Gestão nas equipes de governo.

Uma frente nova para 2018 é o apoio ao município de Imbaú na elaboração de projeto do Programa de Modernização da Administração Tributária. O programa vai elaborar projeto de investimento da administração pública municipal voltado à modernização da administração tributária e à melhoria da qualidade do gasto público. O objetivo é contribuir para uma gestão eficiente, gerando aumento de receitas e redução do custo unitário dos serviços prestados à coletividade. Dentre outras ações, a empresa vai apoiar a aquisição de máquinas e equipamentos relacionados à modernização da administração tributária e à melhoria da qualidade do gasto público.

—  KLABIN AMBIENTAL

Na frente de Educação Ambiental, a Klabin mantém projetos voltados a professores e estudantes das comunidades para disseminar a consciência ecológica, valorizar o respeito ao meio ambiente e a conservação da biodiversidade. Destacam-se os projetos Caiubi, Protetores Ambientais, Crescer, Parque Ecológico e o Programa de Conservação das Reservas Particulares do Patrimônio Nacional (RPPN).

Programa Caiubi

Capacita professores de municípios do Paraná e de Santa Catarina, com o apoio das administrações municipais, instituições e profissionais parceiros para disseminar conceitos de consciência ecológica e contribuir na formação de cidadãos conscientes de suas responsabilidades com o meio ambiente. Desde 2007, o programa já impactou 442 escolas, mais de 1.200 professores e quase 160 mil alunos.

Protetores Ambientais

Treinamento teórico e prático a estudantes do Ensino Fundamental sobre preservação da natureza, legislação ambiental, aspectos da fauna e da flora locais, primeiros socorros, civismo, moral e ética, para a formação de multiplicadores em educação ambiental. Realizado pela Polícia Ambiental do Estado de Santa Catarina, tem o apoio da Klabin desde 2005. Desde então, já beneficiou 345 adolescentes de 11 a 14 anos em diversos municípios de atuação da empresa em Santa Catarina.

Força Verde Mirim

O projeto teve início em 2014 em Telêmaco Borba (PR), com o nome de “Guardiões da Natureza”. Em 2017, ampliou sua atuação para Ortigueira (PR). É destinado a estudantes dos 4º e 5º anos do ensino fundamental de escolas municipais e tem como objetivo promover a educação ambiental e conscientizar sobre o meio ambiente e a importância da conservação de riquezas naturais, por meio de atividades teóricas e práticas.  É realizado em parceria com a Polícia Militar Ambiental do Estado do Paraná e as secretarias municipais de Educação. Em 2017, contou com a participação de 65 alunos.

 

Projeto Crescer

Capacitação continuada de colaboradores diretos e indiretos sobre questões ambientais, de saúde, gestão familiar, qualidade de vida e crescimento profissional, entre outros temas. Em Santa Catarina, mais de 900 colaboradores próprios e terceiros participaram em 38 diferentes frentes de trabalho em 2017, além de fornecedores de madeira. No Paraná, quatro palestras realizadas a cada três meses, para equipes de campo e administrativas, totalizaram a participação de mais de 1800 colaboradores próprios e terceiros no período.

Parque Ecológico

Criado na década de 1980 e localizado na Fazenda Monte Alegre (PR), o Parque Ecológico da Klabin possui uma área de 11 mil hectares, sendo que 71% são formados de florestas naturais. As atividades realizadas no local estão voltadas para a conservação da biodiversidade, a reabilitação de animais, a preservação de espécies em extinção, o desenvolvimento de pesquisas científicas e o apoio aos projetos de educação ambiental.

—  KLABIN CULTURAL

Entre as iniciativas da Klabin que valorizam o desenvolvimento cultural por meio das expressões artísticas estão as atividades do Centro Cultural Vera Lafer, como Meninas Cantoras da Klabin, Passo Certo, Nossa Língua Digital e Decolar, e projetos das Fundações Ema e Eva Klabin.

Meninas Cantoras da Klabin

Instituído em 2004 na Unidade Monte Alegre e expandido para a Unidade Puma em 2017, ambas no Paraná,  Meninas Cantoras da Klabin é um grupo composto por filhas de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira com idade a partir de 7 anos. Promove a prática do canto coral e proporciona noções de teoria musical, ritmo e técnica vocal. Até dezembro de 2017, 1.049 integrantes participaram do programa na Unidade Monte Alegre e 115 integrantes na Unidade Puma.

Passo Certo

Constituído em agosto de 2008 na Unidade Monte Alegre, em parceria com o Studio 3 Cia. de Dança e expandido para a Unidade Puma em 2017, o programa é composto por atividades de dança contemporânea e capoeira para crianças e adolescentes, filhos de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira, a partir dos 6 anos. Seu objetivo principal é desenvolver a linguagem do corpo com a arte e promover a qualidade de vida dos integrantes. Até dezembro de 2017, 1.096 integrantes participaram do programa na Unidade Monte Alegre e 116 integrantes na Unidade Puma.

Nossa Língua Digital

Em parceria com o Instituto Jaborandi, busca aprimorar as habilidades de comunicação oral e escrita de jovens com idade entre 13 e 18 anos, filhos de colaboradores e moradores da comunidade de Telêmaco Borba (PR). Usa novas tecnologias da informação e comunicação Tem o apoio da tecnologia para tratar de temas como identidade, sexualidade, meio ambiente, cidadania, drogas, entre outros. Desde 2009, o programa formou 1.039 alunos no Espaço Cultural Vera Lafer. O programa está sendo desenvolvido também com as turmas de 5º ano da rede municipal de ensino, relacionando os temas deste projeto ao planejamento anual da série. Ele acontece desde 2010 na Prefeitura de Telêmaco Borba, tendo formado 1.467 alunos e desde 2017 na Prefeitura de Ortigueira com 218 alunos formados.

Projeto Decolar

A iniciativa, realizada pela Klabin desde 2013, conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação de Telêmaco Borba e do Exército, buscando difundir a cultura de segurança nos bairros localizados próximo ao Aeroporto Monte Alegre. Alunos de 2º a 5º ano das escolas municipais, entre 7 e 10 anos, são orientados em sala de aula a divulgar as informações recebidas sobre segurança, conscientizando familiares, vizinhos, visitantes e outras pessoas da comunidade a terem comportamentos adequados, evitando travessias por qualquer motivo na área do aeroporto e, também, preservando e respeitando o patrimônio. Em 2017, contou com a participação de 847 alunos.

—  Klabin na Comunidade

Em 2017, a Klabin reforçou suas ações de comunicação junto às comunidades onde possui operações industriais e florestais no Paraná. Uma das iniciativas foi o Minuto Klabin, boletim de rádio com duração de um minuto, de conteúdo atualizado a cada duas semanas, com informações sobre as atividades econômicas, ambientais e sociais da companhia, abrindo mais um espaço para o diálogo. O programa é veiculado em 15 municípios da região dos Campos Gerais com o objetivo de aproximar as comunidades do dia a dia da empresa, para que possam conhecer mais profundamente os projetos sociais e ambientais da Klabin, seus produtos, compromissos e conquistas.

Em parte desses municípios, segundo a pesquisa com a comunidade realizada em 2017, a Klabin tem 62,8% de percepção de comprometimento da companhia com a comunidade, o que representa, portanto, aproximação no relacionamento com a gestão pública local; a divulgação eficiente do trabalho da Klabin na região; efetividade nas respostas das demandas via Fale com a Klabin; e assertividade na implantação de medidas mitigatórias dos impactos operacionais. Veja mais no texto “Via de mão dupla”, a seguir.

Também como forma de fortalecer o relacionamento e aumentar o conhecimento sobre a empresa e seus produtos, a Klabin promoveu feiras itinerantes em vários municípios de atuação. A “Klabin na Comunidade” é realizada em locais públicos e convida a população a conhecer de perto o processo produtivo da empresa e alguns dos seus projetos sociais e ambientais. Promove também exposição de produtos orgânicos de agricultores apoiados pela companhia, mostra de ações ambientais dos programas de reciclagem municipais e serviços de cidadania oferecidos pelas prefeituras. Em 2017, foram realizados seis eventos de aproximação com as comunidades de Telêmaco Borba, Ortigueira, Imbaú, Tibagi, Reserva e Curiúva, atingindo cerca de 5 mil pessoas.

>> PROGRAMA DE RÁDIO E FEIRA ITINERANTE REFORÇAM AS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO DA KLABIN COM AS COMUNIDADES <<

—  Gerenciamento de impactos

(GRI 413-2)

O gerenciamento de impactos das operações da Klabin envolve o mapeamento, a elaboração de matrizes e iniciativas específicas para controle e mitigação. As medidas para reduzir a poeira causada pelo tráfego de caminhões durante as atividades de colheita, por exemplo, incluem umectação das vias, investimento em estradas, planejamento de rotas e procedimentos que limitam os horários de operação em determinados locais. A Klabin vem estudando alternativas ao uso da água a partir de materiais provenientes do processo de produção, a fim de reduzir o uso da água (veja Destaques 2018). Também são promovidas campanhas de conscientização com os motoristas, contribuindo para a mitigação de impactos.

Medidas para diminuição de ruído e tráfego de veículos pesados também envolvem a nova Unidade Logística de Papel e Celulose de Paranaguá (PR), por onde está sendo escoada a celulose da Unidade Puma, além de outros produtos, para exportação. Nas operações industriais, os impactos são reavaliados sempre que ocorre alguma mudança significativa nos processos da empresa, como ampliação da capacidade de produção ou instalação de novos equipamentos.

Objetivos e Metas

Objetivos Meta 2017 Resultado 2017 Meta 2018 Análise 2017
Levantar e dimensionar os impactos negativos das operações da Klabin nas comunidades Aumentar em 9% (47% para 56%) a percepção de comprometimento da Klabin com as comunidades nos 6 municípios pesquisados em 2016¹

Ampliar a realização da pesquisa de 6 para 9 municípios²

Aumento de 16% (47% para 62,8%) no indicador de percepção de comprometimento da Klabin com as comunidades urbanas e rurais de 6 municípios Aumentar em 10% (63% para 73%) a percepção de comprometimento da Klabin com as comunidades nos 9 municípios Meta alcançada, devido à efetividade no tratamento de demandas via Fale com a Klabin; implantação de medidas mitigatórias mais assertivas dos impactos operacionais³; aproximação com as comunidades para avaliação de impactos em função das operações; aproximação no relacionamento com órgãos públicos locais; ampliação da comunicação do trabalho da companhia
Acompanhar indicador de percepção do comprometimento da Klabin com as comunidades
Mensurar o nível de conhecimento das comunidades sobre a Klabin, seus projetos sociais e suas atividades
Monitorar a imagem e reputação da Klabin
Dar as devidas devolutivas para demandas como reclamações, denúncias, solicitações, dúvidas e sugestões em até 2 dias, com esclarecimentos e informações de tratativas Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias 79% dos contatos recebidos tratados em até 2 dias Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias Meta não alcançada, atualizada para 2018

¹ Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva e Curiúva (PR)
² Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva, Curiúva, Congonhinhas, Ventania e Rio Branco do Ivaí (PR)
³ Danos às estradas, medidas de redução de poeira, entre outros.

—  Via de mão dupla

A segunda pesquisa anual de percepção de atuação e imagem realizada pela Klabin junto às comunidades no Paraná, em 2017, apontou melhora nos índices relacionados à percepção positiva da atuação da empresa e seu comprometimento com o território. A evolução de um ano para outro neste item foi de 17 pontos percentuais, superando a meta de avançar 9 pontos percentuais.

A companhia atribui o avanço na percepção e imagem às iniciativas de diálogo realizadas e intensificadas no último ano, como Klabin na Comunidade, os boletins de rádio Minuto Klabin, canais de ouvidoria e Fale com a Klabin. Nessas ocasiões, os públicos se informam sobre a atuação da Klabin e a empresa aproveita para monitorar a percepção de eventuais impactos de suas operações.

A primeira pesquisa, feita em 2016, abrangeu seis cidades; em 2017 foram nove cidades e, em 2018, deverá abranger os 12 municípios de influência das operações da empresa no Paraná.

—  Direitos humanos

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

A Klabin monitora seus impactos de direitos humanos em oportunidades como as rotinas exigidas pelas certificações FSC® e OHSAS ou em situações excepcionais, como a instalação de novos projetos, como foi a construção da Unidade Puma. Para isso, segue orientações da Organização Internacional do Trabalho (OIT), dos Princípios do Equador e as boas práticas internacionais da IFC e do Banco Interamericano do Desenvolvimento (IDB, na sigla em inglês).

As operações certificadas na OHSAS 18001 – Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional que também foram avaliadas no âmbito dos direitos humanos, em 2017, são as seguintes: região Sul – Otacílio Costa (fabricação de papel kraftliner em Santa Catarina), Correia Pinto (fabricação de papel sack kraft em Santa Catarina) e Monte Alegre (fabricação de papelcartão e kraftliner no Paraná); região Sudeste – Angatuba (fabricação de papel kraftliner em São Paulo). Isso representa 31% do total de operações da empresa. (GRI 412-1)

Comunidades tradicionais

A empresa faz o mapeamento de todas as comunidades tradicionais em sua área de influência, como quilombolas, faxinalenses (comunidades do Paraná que habitam pequenos territórios e vivem de sua relação com a floresta)  e indígenas. No relacionamento com elas, segue a legislação brasileira e as recomendações da OIT 169. Desde 2012, foi realizado levantamento das linhas de base indígena e a análise das dinâmicas presentes nas Terras Indígenas Tybagi-Mococa e Queimadas, do povo Kaingang, situadas no Paraná. Seu posterior acompanhamento é realizado por meio do Plano Básico Ambiental indígena, com avaliações regulares. No período do relato, não houve casos de violação de direitos dos povos indígenas e das comunidades tradicionais. (GRI 411-1)

—  Boa prática

COMUNIDADE SE ORGANIZA EM TORNO DA “CIDADE DOS SONHOS”

Fórum de Desenvolvimento Local em Goiana, Pernambuco, busca alternativas para o desenvolvimento sustentável com a participação de diversos setores locais; trabalho é amparado pela aplicação do Índice de Progresso Social e adesão aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Quando membros de setores da sociedade tão diversos quanto integrantes de grandes indústrias, de comunidades tradicionais ou da sociedade civil organizada se reúnem, é quase certo que opiniões muito divergentes vão aparecer, com risco iminente de desgastes e conflito. Não é o que vem acontecendo, porém, no Fórum de Desenvolvimento da Comunidade, em Goiana, Pernambuco, município em que a Klabin mantém três unidades industriais. A iniciativa, incentivada pela experiência similar vivenciada pela Klabin nos municípios de Otacílio Costa e Correia Pinto, em Santa Catarina, chegou a Goiana em 2017.

O fórum envolve diversos representantes da sociedade e propõe incentivá-los a buscar, juntos, um modelo de gestão do território com base na discussão de soluções para as questões locais. Nesses encontros, a Klabin ou qualquer outro participante não tem papel de protagonista. A empresa, como os demais mobilizados, tem interesse em encontrar respostas capazes de contribuir para o desenvolvimento local sustentável. Entre os representantes do segmento industrial está também o Grupo Fiat Chrysler Automobiles (FCA), instalado no pólo industrial de Goiana, representando importante parceiro do município.

Progresso Social

O consultor Judi Cavalcante, da Avesso Sustentabilidade, foi um dos parceiros responsáveis pelo diagnóstico do município e pelo apoio na condução das primeiras reuniões. Ele explica que o trabalho partiu de um levantamento para conhecer a situação socioambiental do município. Para isso, foi adotada uma ferramenta que mensura itens de qualidade de vida no território, independentemente do desenvolvimento econômico: o Índice de Progresso Social (IPS), metodologia criada pela universidade de Harvard e adaptada para a América Latina pela Fundação Avina. “A aplicação do IPS, que contou com o apoio da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), nos trouxe um marco zero da situação do município e de suas reais prioridades”, detalha. O IPS ainda pressupõe a aplicação de pesquisas periódicas, para acompanhamento da evolução de tratativa para temas apontados.

 

>> OS GRUPOS FORMADOS NO FÓRUM TÊM FOCO EM QUATRO TEMAS PRIORITÁRIOS PARA O MUNICÍPIO: EDUCAÇÃO, EMPREGO E RENDA, CULTURA E TURISMO <<

“Somada a essa metodologia, utilizamos uma dinâmica que permite extrair dos participantes qual é a Goiana de seus sonhos combinada a dados de fontes secundárias que ajudam a traçar esse panorama”, explica. Esses resultados foram relacionados a uma agenda mundial – os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. “De todo esse alinhamento, chegamos a um grande número de temas que se identificavam com a realidade do município. Mas como não é possível tratar todos, precisamos priorizar. E assim chegamos a quatro grandes temas que os representantes do Fórum, divididos em grupos de trabalho, vão focar em 2018: educação, emprego e renda, cultura e turismo”, informa Cavalcante.

Até o primeiro trimestre de 2018, seis encontros do Fórum já haviam sido realizados, com a presença  de 30 participantes em média, a cada encontro. Eles representam segmentos da indústria, igreja, poder público, comunidades tradicionais e comunidade em geral. A partir dos temas levantados, os grupos de trabalho já definiram algumas das diretrizes de ação para o ano. “É um fórum de compartilhamento de ideias, um espaço plural e democrático, sobre uma nova forma de desenvolvimento do território e, embora tenha estímulo e apoio de grandes empresas, como a Klabin e a FCA, tem autonomia para buscar o desenvolvimento sustentável do município”, comenta o consultor, que reforça a importância da iniciativa, inclusive, para direcionar os investimentos sociais das empresas e do poder público no município.

Saiba mais sobre o Índice de Progresso Social em http://www.progressosocial.org.br/ e sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/.

    Gommo Desenvolvimento de Sites Mobile em Belo Horizonte
    Bitnami