Promoção do Desenvolvimento Local e Relacionamento com Comunidades – Klabin

Promoção do Desenvolvimento Local e Relacionamento com Comunidades

A ATUAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA KLABIN É ORIENTADA PELA PLATAFORMA DE INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E ABRANGE AÇÕES DE DIÁLOGO, ENGAJAMENTO, GESTÃO DE IMPACTOS NAS COMUNIDADES, EMPODERAMENTO E PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO

Objetivos de
Desenvolvimento
Sustentável

<i>1 - </i>Eradication of poverty 1 - Erradicação da pobreza
<i>2 - </i>Eradication of hunger 2 - Fome zero e agricultura sustentável
<i>3 - </i>Quality health 3 - Saúde de qualidade
<i>5 - </i>Gender equality 5 - Igualdade de gênero
<i>7 - </i>Renewable energy 7 - Energias renováveis
<i>8 - </i>Decent jobs and economic growth 8 - Empregos dignos e crescimento econômico
<i>9 - </i>Innovation and infrastructure 9 - Indústria, Inovação e Infraestrutura
<i>10 - </i>Reducing inequalities 10 - Redução das desigualdades
<i>11 - </i>Sustainable cities and communities 11 - Cidades e comunidades sustentáveis
<i>17 - </i>Partnerships for goals 17 - Parcerias e meios de implementação

—  Compromisso com as pessoas e o território

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

Promover o relacionamento com as comunidades vizinhas e gerar impacto socioambiental positivo faz parte dos objetivos da atuação socioambiental da Klabin. A atuação com esse foco envolve a avaliação e a mitigação de impactos reais e potenciais relacionados às operações da empresa, o engajamento com stakeholders para identificação de expectativas e necessidades, iniciativas de diálogo e de empoderamento local, além de projetos de desenvolvimento socioambiental.

A gestão desses temas está fundamentada principalmente nos seguintes documentos:

Por meio da Plataforma de Investimento Social Privado, a companhia direciona seus investimentos para quatro linhas de atuação – educação, desenvolvimento local, educação ambiental e desenvolvimento cultural – e dois grandes eixos: território e pessoas.

Para reforçar seu compromisso com o desenvolvimento sustentável, a Klabin também endossa, de forma voluntária, uma série de iniciativas externas e compromissos nessa área (veja Compromissos voluntários assumidos).

 


—  Engajamento contínuo

(GRI 413-1)

Além dos treinamentos internos voltados para o relacionamento com a comunidade, que envolveram 28 colaboradores em 2018, a Klabin promove continuamente o engajamento de membros das comunidades vizinhas às suas operações no Paraná por meio de diversas iniciativas:

Iniciativa Operações
Quantidade %
Avaliações de impactos ambientais e monitoramento contínuo 18 100%
Divulgação pública dos resultados de avaliações de impactos ambientais e sociais
Conselhos de trabalho, comissões de saúde e segurança no trabalho e outras entidades representativas de colaboradores para discutir impactos
Processos formais de queixas e reclamações por parte de comunidades locais
Programas de desenvolvimento local baseados nas necessidades de comunidades locais 6* 33,33%
Planos de engajamento de stakeholders baseados em mapeamentos dessas partes 9 50%
Comitês e processos de consulta ampla à comunidade local incluindo grupos vulneráveis 6 33,33%

*Para os três últimos itens, foram considerados apenas municípios onde a Klabin mantém programa ou área dedicada exclusivamente para a promoção do desenvolvimento local baseado em consultas e planos de engajamento. Para 2019, outros municípios devem ser incluídos nestas duas etapas.

—  Investimento social

(GRI 203-1)

Os programas desenvolvidos pela Klabin nas comunidades onde está presente, com foco nas áreas de saúde, cultura, educação, esporte, lazer e meio ambiente, totalizaram R$ 26,7 milhões em 2018, dos quais R$ 10 milhões foram viabilizados com leis de incentivo (Lei Ancine, Lei Rouanet e Lei do Desporto).

 

Investimento social externo 2018 (R$)
Recursos próprios 16.617.286,61
Doações a Entidades Assistenciais 5.413.268,89
Doações a Instituições de Ensino 150.265,43
Doações Culturais 3.037.431,53
Patrocínio 1.248.414,79
Outras Doações 6.767.905,97
Investimentos incentivados 10.058.474,17
Lei Ancine
Lei Rouanet 6.069.199,90
Lei do Desporto 1.554.682,73
PRONON 1.434.591,50
Fundo da Criança e do Adolescente 1.000.000,04
Total geral 26.675.760,78

 

—  Um impulso à dinâmica socioeconômica

(GRI 203-2)

No estudo de mapeamento de stakeholders realizado em 2018 (veja Públicos consultados e engajamento de stakeholders), o grau de dependência econômica foi um dos critérios fundamentais para a análise dos grupos de partes interessadas durante o processo. Isso porque quanto maior a dependência econômica na relação entre a empresa e o stakeholder, há possibilidade de impactos maiores – sejam positivos ou negativos – e, portanto, suas necessidades devem ser identificadas e devidamente endereçadas. Veja na tabela a seguir os principais impactos econômicos indiretos causados pelas operações da Klabin na sociedade.

 

Impactos Descrição dos impactos econômicos indiretos positivos Descrição dos impactos econômicos indiretos negativos
Mudanças na produtividade de organizações, setores ou da economia como um todo (como, por exemplo, por meio da adoção ou distribuição mais intensa de tecnologias da informação) A Klabin desenvolve estudos voltados à adoção de alternativas ao plástico de uso único, o que aumenta os investimentos em pesquisa e desenvolvimento de embalagens mais sustentáveis. O tempo de pesquisa e desenvolvimento não acompanha o ritmo acelerado da evolução do mercado, causando excesso de demanda e encarecimento da oferta.
Desenvolvimento econômico em áreas com alto índice de pobreza (como o número total de dependentes sustentados pela renda de um único emprego, por exemplo) Geração de renda em comunidades com poucas oportunidades de trabalho e baixo índice de qualidade de vida. Dependência econômica da comunidade pela companhia, repassando solicitações à empresa que deveriam ser endereçadas ao poder público.
Impacto econômico da melhoria ou deterioração das condições sociais ou ambientais (como mudanças no mercado de trabalho em uma área de pequenas propriedades rurais familiares convertidas em grandes plantações ou o impacto econômico da poluição) Geração de renda em comunidades por meio do incentivo à permanência no campo e produção de orgânicos, impulsionado por projetos como o Matas sociais, Matas Legais e Programa de Apicultura e Meliponicultura. Não identificados impactos nessa frente.
Fortalecimento das habilidades e conhecimentos de uma comunidade profissional ou em uma região geográfica (como a necessidade de uma base de fornecedores atrai empresas com empregados qualificados, o que, por sua vez, estimula a criação de novas instituições de ensino) No ciclo 2018, foi feito o planejamento e primeiros passos para a implantação de novos cursos técnicos em Ortigueira, agora em 2019. Isso traz acesso à educação formal e possibilidade de incremento de renda. Não identificados impactos nessa frente.
Número de postos de trabalho oferecidos na cadeia de fornecedores ou distribuição (como o impacto no emprego em fornecedores como resultado do crescimento ou contração de uma organização) Cerca de mais de 30% do quadro de pessoal da Klabin é composto por colaboradores indiretos (ver GRI 102-8), sendo uma prática interna priorizar recrutamento local. Isso possibilita movimentação na microeconomia regional e atração de investimentos em infraestruturas. Possibilidade de aumento da desigualdade de renda, pela impossibilidade estrutural de fornecer vagas a uma parcela considerável da população, cujas oportunidades de trabalho não têm remuneração equiparáveis às da Klabin.
Impacto econômico de mudanças no local de operações ou atividades (a exemplo da terceirização de empregos para um local no exterior) Não foram identificados impactos nessa frente. Dependendo do tamanho da operação e dependência econômica do município, os impactos são grandes. Entretanto, há possibilidades de mudança após estudo detalhado que contempla impacto econômico e medidas cabíveis de mitigação.

Além de gerenciar riscos e impactos potenciais e reais das operações, a Klabin procura potencializar impactos positivos de suas atividades no território e impulsionar o desenvolvimento econômico e social. Os 13 municípios da área de influência direta e indireta da Unidade Puma, no Paraná, por exemplo, recebem o apoio da Klabin no desenvolvimento de seus Planos Plurianuais (PPAs). Doze municípios da área, responsáveis pelo abastecimento de madeira das unidades Monte Alegre e Puma, foram orientados com Diretrizes para o Desenvolvimento Territorial.

Iniciativas como o Programa de Apicultura e Meliponicultura e Matas Sociais também contribuem para o incremento de renda e a diversificação da produção. Outro exemplo é a implantação do Fórum de Desenvolvimento Local de Goiana (PE) e Angatuba (SP), em que o primeiro como ponto de partida um diagnóstico obtido com a aplicação do Índice de Progresso Social (IPS), metodologia inovadora desenvolvida por pesquisadores da Universidade de Harvard. O programa adota os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU como orientadores de uma agenda de progressos e prosperidade local.

Veja mais sobre essas iniciativas e projetos ao longo deste capítulo.

—  KLABIN PELO DESENVOLVIMENTO LOCAL

Acreditando no empoderamento econômico, social e cultural das comunidades como caminho para o desenvolvimento das localidades em que atua, as iniciativas de investimento social da Klabin fortalecem as habilidades, os conhecimentos e as potencialidades de cada território. Destacam-se os Fóruns de Desenvolvimento da Comunidade, o Programa de Resíduos Sólidos, os programas Matas Legais e Matas Sociais, além do projeto de Meliponicultura e Apicultura.

Fóruns da Comunidade

O Fórum de Desenvolvimento Local implantado em Goiana (PE) ganhou destaque em um relevante espaço de discussão internacional. O projeto foi um dos 19 selecionados pela Rede Brasil do Pacto Global para integrar o “SDGs in Brazil”, que destacou iniciativas do setor privado brasileiro relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). O evento integrou a programação da 73ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York, em setembro de 2018.

Os primeiros Fóruns de Desenvolvimento promovidos pela Klabin foram em 2015, nos municípios catarinenses de Correia Pinto e Otacílio Costa. Em 2017 passou a contemplar também o município de Goiana. Desde então, a iniciativa vem sendo aprimorada com a aplicação do Índice de Progresso Social (IPS). A metodologia mensura itens da qualidade de vida do território, de forma independente do desenvolvimento econômico, permitindo identificar de maneira mais eficiente a realidade do município e indicar as prioridades a serem trabalhadas no Fórum. Saiba mais sobre o IPS no site www.progressosocial.org.br.

A proposta do Fórum envolve diversos atores da sociedade civil organizada e defende que todos juntos possam buscar um novo modelo de gestão do território com base na discussão de soluções para as questões locais. Nessas reuniões, a empresa não tem papel de protagonista, mas atua como um dos atores, da mesma forma que os demais, interessados em encontrar respostas capazes de contribuir para o desenvolvimento local sustentável. Ainda em 2018, a Klabin já começou a mobilizar a comunidade de Angatuba (SP), onde mantém uma unidade fabril, para a criação de mais um Fórum.

>> FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO LOCAL DE GOIANA FOI UM DOS 19 SELECIONADOS PARA EVENTO DO PACTO GLOBAL, QUE DESTACOU AS INICIATIVAS DO SETOR PRIVADO BRASILEIRO RELACIONADOS AOS ODS <<

Programa de Resíduos Sólidos

Desenvolvido com o Consórcio Intermunicipal Caminhos do Tibagi, o Programa de Resíduos Sólidos da Klabin promove ações de apoio à coleta seletiva em sete municípios da região dos Campos Gerais, no Paraná:  Imbaú, Ortigueira, Reserva, Tamarana, Tibagi, Telêmaco Borba e Ventania. A Klabin fornece aos municípios estruturas e equipamentos, como barracões, caminhões de coleta seletiva e materiais, para estruturar a reciclagem em cada local, além de promover a capacitação de catadores e a formação de associações ou cooperativas. Outra frente do projeto é a educação ambiental em escolas municipais visando à formação dos professores e coordenadores pedagógicos, inserindo conceitos como coleta seletiva e reciclagem.

Em 2018, as ações voltaram-se, principalmente, para a educação ambiental. Durante o ano, 65 escolas e 282 profissionais de educação, entre professores e coordenadores pedagógicos, passaram por capacitações com especialistas e se qualificaram para multiplicar os temas “reciclagem” e “resíduos sólidos” em sala de aula. Cada educador recebeu o desafio de desenvolver trabalhos específicos com suas turmas, que foram expostos em mostras ambientais nas escolas, disseminando o tema na comunidade.

Matas Legais

Desenvolvido em parceria com a Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi), o Programa Matas Legais consiste em ações de planejamento da propriedade rural, conservação, educação ambiental e fomento florestal nos estados do Paraná e de Santa Catarina. Proprietários de pequenas e médias propriedades são orientados para atuar de forma mais eficiente, rentável e ecológica. Os produtores fazem cursos, visitas de intercâmbio e recebem gratuitamente mudas de plantas nativas. O programa também incentiva a silvicultura com florestas plantadas, tanto com pínus e eucalipto, o enriquecimento de florestas secundárias; a recuperação de matas ciliares, auxiliando a conservação de fontes hídricas; a agricultura orgânica e o ecoturismo.

Matas Sociais – Planejando Propriedades Sustentáveis

Busca auxiliar agricultores familiares de Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú e Reserva, no Paraná, na realização do Cadastro Ambiental Rural (CAR), no Plano de Recuperação Ambiental (PRA), no planejamento sustentável e na diversificação do uso da propriedade. Dessa forma, incentiva a agricultura familiar, a permanência no campo, o desenvolvimento da cadeia de produção e consumo na região e o empreendedorismo. Tem parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da organização internacional The Nature Conservancy (TNC) e da Apremavi.

Os produtos da agricultura familiar dessas propriedades são vendidos no mercado local, sendo destinados aos refeitórios da própria Klabin e à alimentação dos animais do Parque Ecológico da Klabin. Recentemente, o programa vem fortalecendo também a produção de leite, com maior concentração em propriedades no município de Ortigueira. Mais de 330 produtores rurais são atendidos pelo programa, em ações de capacitação, envolvendo manejo agrícola, pecuária, produção orgânica e educação ambiental, entre outras. Em 2018, o Matas Sociais foi vencedor do 25º Prêmio Expressão de Ecologia, a maior premiação ambiental da região Sul do Brasil.

Programa de Apicultura e Meliponicultura

Desde 2005, a Klabin cede suas florestas para a criação de abelhas por famílias de pequenos e médios produtores rurais. Além de reforçar a renda familiar, o programa beneficia a conservação da biodiversidade e dos ecossistemas, já que as abelhas fazem a polinização das espécies vegetais, melhorando a produtividade de outras culturas.

Em 2018, o programa atingiu produção de 11.650 toneladas de mel, provenientes de produtores de Ortigueira, Curiúva, Reserva, Ventania, Arapoti e Telêmaco Borba, no Paraná. Desde o seu início, foram produzidas e comercializadas 168 toneladas de mel.  A iniciativa tem parceria com a Associação de Apicultores de Telêmaco Borba e com a Cooperativa Caminhos do Tibagi.  Em 2018, o programa foi estendido aos municípios de Otacílio Costa (SC) e Angatuba (SP).

Apoio à gestão pública

Partindo do princípio de que um planejamento de ações eficiente e uma boa gestão pública são fundamentais para impulsionar o desenvolvimento local, a Klabin, em linha com a sua Política de Sustentabilidade, apoiou os municípios de Imbaú, Telêmaco Borba e Ortigueira, no Paraná, na construção dos Planos Plurianuais (PPA) para o período de 2018 a 2021.

Em 2019, a atuação da empresa se volta ao monitoramento da execução dos planos, por meio de capacitação das equipes gestoras das prefeituras. Previsto no artigo 165 da Constituição Federal, o PPA é um plano de médio prazo com diretrizes, objetivos e metas a serem seguidos pelos governos federal, estadual ou municipal ao longo de quatro anos.

Diretrizes de Desenvolvimento Regional

Em 2018, foi criado o Programa Klabin de Apoio ao Desenvolvimento Regional no Paraná, que contempla 27 diretrizes prioritárias nos 12 municípios paranaenses que haviam se organizado para receber o incremento de arrecadação do ICMS da Unidade Puma. São eles: Cândido de Abreu, Congonhinhas, Curiúva, Imbaú, Ortigueira, Reserva, Rio Branco do Ivaí, São Jerônimo da Serra, Sapopema, Telêmaco Borba, Tibagi e Ventania.  As diretrizes orientam a atuação dos municípios nos eixos da educação, agricultura familiar, logística e segurança pública.

—  KLABIN EDUCAÇÃO

Iniciativas para o aprimoramento da educação, práticas esportivas e cidadania compõem as ações da Klabin no pilar Educação. Os projetos têm foco na formação de professores e alunos de todas as etapas do ensino (Infantil, Fundamental, Médio, Técnico e contraturno escolar) e na melhoria da infraestrutura das escolas. São exemplo os projetos Semeando Educação, Crescer Lendo e as ações da Associação Terra Viva, que incentiva o voluntariado entre os colaboradores da Klabin. Em 2019, a empresa, em conjunto com o Governo do Estado do Paraná e com a Prefeitura Municipal de Ortigueira, anunciou a criação do Centro Estadual de Educação Profissional e Agrícola de Ortigueira, para capacitar e incentivar a formação de mão de obra voltada para a operação florestal.

Projeto Crescer Lendo

Em parceria com a organização United Way Brasil e o Instituto Avisa Lá, a iniciativa promove a formação de profissionais na área de educação infantil e a instalação de bibliotecas em escolas municipais. Desde seu início, em 2014, o projeto já percorreu 26 municípios, de sete estados onde a Klabin mantém suas operações. Até agora, mais de 10 mil crianças foram beneficiadas pela iniciativa, cerca de 18 mil livros foram doados e mais de 630 profissionais foram capacitados.

Projeto Klabin Semeando Educação

Oferece consultoria a diretores, pedagogos e professores de escolas públicas, compartilhando método, boas práticas e ferramentas para a melhoria de indicadores de gestão escolar, incluindo formações sobre liderança e ampliação da participação da comunidade escolar. Criado em 2017, o programa abrangeu 31 escolas públicas estaduais nos municípios de Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú, no Paraná, que registraram evolução média de 23% no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) após a implantação. Em 2019, a iniciativa retoma as atividades, com foco na rede municipal de ensino. Ao todo, serão impactados cerca de 11 mil alunos e professores, de 65 escolas das áreas urbana e rural dos mesmos municípios. O projeto passa a ser desenvolvido em parceria com as Secretarias Municipais de Educação.

Terra Viva

A Terra Viva Associação de Voluntários da Klabin, entidade sem fins lucrativos, foi criada em 2003 e desde então organiza e promove ações de cidadania e solidariedade com o apoio de colaboradores e seus familiares. Os projetos podem ser pontuais, como arrecadações de agasalhos, alimentos, leite, doação de sangue, e outras ações relacionadas a datas comemorativas; ou educacionais, a exemplo de orientação na busca do primeiro emprego e aulas técnicas e criativas, como cursos de violão, idiomas, informática, entre outros. Os públicos atendidos vão de crianças e jovens em situação de risco social ou com deficiência física a idosos.

Apoio à qualificação para operação florestal

Em 2019, a Klabin anunciou, em parceria com o Governo do Estado do Paraná e a Prefeitura Municipal de Ortigueira, a criação do Centro Estadual de Educação Profissional Florestal e Agrícola de Ortigueira, a primeira escola técnica para a formação de operadores florestais e mecânicos de máquinas pesadas no Brasil. O projeto está sendo implantado nas ocupações antes destinadas aos alojamentos dos trabalhadores do Projeto Puma na época da construção da fábrica, local que já foi concebido prevendo o futuro uso da comunidade.

As obras de adaptação serão realizadas pela Secretaria de Educação do Estado do Paraná e incluem, além da reforma dos alojamentos, a construção de uma oficina mecânica e uma quadra poliesportiva coberta. A Klabin se utilizou de sua expertise técnica para auxiliar na construção da grade curricular. Para isso, junto com os parceiros do projeto, visitou escolas que são modelos na Finlândia e Suécia, na região da Escandinávia, referência mundial na indústria de papel e celulose.

A empresa disponibilizará instrutores que hoje formam a mão de obra especializada da companhia para participarem do processo seletivo de professores da futura escola e para suportar o início das atividades. Adicionalmente, a empresa mantém contato com os principais fabricantes de equipamentos florestais do mundo e com empresas do setor para fomentar parcerias com o objetivo de equipar os laboratórios.

A nova instituição de ensino, que deve ser inaugurada em 2020, tem capacidade para 800 alunos e vai oferecer, inicialmente, três cursos: técnico em Operações Florestais, técnico em Manutenção de Máquinas Pesadas e técnico em Agronegócio, que serão oferecidos na modalidade Integral (concomitante com o ensino médio) e subsequente (quando o aluno já tem o ensino médio e faz apenas a formação técnica). Cerca de 300 vagas serão oferecidas em regime de internato e semi-internato, possibilitando o ingresso de estudantes de diferentes regiões do País.

—  KLABIN AMBIENTAL

Na frente de Educação Ambiental, a Klabin mantém projetos voltados a professores e estudantes das comunidades para disseminar a consciência ecológica, valorizar o respeito ao meio ambiente e a conservação da biodiversidade.

Programa Caiubi

Capacita professores de municípios do Paraná e de Santa Catarina, com o apoio das administrações municipais, instituições e profissionais parceiros, para disseminar conceitos de consciência ecológica e contribuir na formação de cidadãos responsáveis. Em 2018, a metodologia foi replicada e estendida a municípios paranaenses integrantes do Programa de Resíduos Sólidos da Klabin , promovendo a capacitação de mais de 280 profissionais de educação. No total, entre escolas do Paraná e Santa Catarina, o Programa impactou mais de 14 mil estudantes no período. Desde a sua criação, em 2001, 245 mil alunos, 770 escolas e cerca de 9 mil professores já foram beneficiados.

Protetores Ambientais

Treinamento teórico e prático a estudantes do Ensino Fundamental sobre preservação da natureza, legislação ambiental, aspectos da fauna e da flora locais, primeiros socorros, civismo, moral e ética, para a formação de multiplicadores em educação ambiental. Realizado pela Polícia Ambiental do Estado de Santa Catarina, tem o apoio da Klabin desde 2005. Desde então, já beneficiou mais de 300 adolescentes de 11 a 14 anos.

Força Verde Mirim

Programa destinado a estudantes dos 4º e 5º anos do Ensino Fundamental de escolas municipais do Paraná e tem como objetivo promover a educação ambiental e conscientizar sobre o meio ambiente e a importância da conservação de riquezas naturais, por meio de atividades teóricas e práticas.  É realizado em parceria com a Polícia Militar Ambiental do Estado e as secretarias municipais de Educação. Em 2018, foi exclusivamente voltado à zona rural do Caeté, no município de Ortigueira.

 

Projeto Crescer

Capacitação continuada de colaboradores diretos e indiretos sobre questões ambientais, de saúde, gestão familiar, qualidade de vida e crescimento profissional, entre outros. No Paraná, quatro temas envolveram 4.609 colaboradores próprios e terceiros nas atividades do programa em 2018.

Parque Ecológico

Criado na década de 1980 e localizado na Fazenda Monte Alegre (PR), o Parque Ecológico da Klabin possui uma área de 11 mil hectares, sendo que 71% são formados de florestas naturais. As atividades realizadas no local estão voltadas para a conservação da biodiversidade, a reabilitação de animais, a preservação de espécies em extinção, o desenvolvimento de pesquisas científicas e o apoio aos projetos de educação ambiental.

—  KLABIN CULTURAL

Entre as iniciativas da Klabin que valorizam o desenvolvimento cultural por meio das expressões artísticas estão as atividades do Centro Cultural Vera Lafer, como Meninas Cantoras, Klabin Passo Certo e Nossa Língua Digital, além de projetos das Fundações Ema e Eva Klabin.

Meninas Cantoras da Klabin

Instituído em 2004 na Unidade Monte Alegre e expandido para a Unidade Puma em 2017, ambas no Paraná, Meninas Cantoras da Klabin é um grupo composto por filhas de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira, com idade a partir de 7 anos. Promove a prática do canto coral e noções de teoria musical, ritmo e técnica vocal. Até dezembro de 2018, 1.152 integrantes participaram do programa na Unidade Monte Alegre e 213 integrantes na Unidade Puma.

Passo Certo

Constituído em agosto de 2008 na Unidade Monte Alegre, em parceria com o Studio 3 Cia. de Dança e expandido para a Unidade Puma em 2017, o programa é composto por atividades de dança contemporânea e capoeira para crianças e adolescentes, filhos de colaboradores da empresa e jovens da comunidade de Telêmaco Borba e de Ortigueira, a partir dos 6 anos. Seu objetivo é desenvolver a linguagem do corpo com a arte e promover a qualidade de vida dos integrantes.  Até dezembro de 2018, 1.198 integrantes e 269 colaboradoras participaram do programa na Unidade Monte Alegre e 225 integrantes na Unidade Puma.

Nossa Língua Digital

Em parceria com o Instituto Jaborandi, busca aprimorar as habilidades de comunicação oral e escrita de jovens com idade entre 13 e 18 anos, filhos de colaboradores e moradores da comunidade de Telêmaco Borba (PR). Usa novas tecnologias da informação e comunicação para tratar temas como identidade, sexualidade, meio ambiente, cidadania, drogas, entre outros. Desde 2009, o programa formou 1.110 alunos no Espaço Cultural Vera Lafer.  O programa está sendo desenvolvido também com as turmas de 5º ano da rede municipal de ensino, relacionando os temas do projeto ao planejamento anual da série. Ele acontece desde 2010 na Prefeitura de Telêmaco Borba, tendo formado 1.740 alunos; e desde 2017 em parceria com a Prefeitura de Ortigueira, formando 471 alunos.

Projeto Decolar

A iniciativa, realizada pela Klabin desde 2013, conta com o apoio da Secretaria Municipal de Educação de Telêmaco Borba e do Exército, buscando difundir a cultura de segurança nos bairros próximos ao Aeroporto Monte Alegre. Alunos de 2º a 5º ano das escolas municipais, entre 7 e 10 anos, são orientados em sala de aula a divulgar as informações recebidas sobre segurança, conscientizando familiares, vizinhos, visitantes e outras pessoas da comunidade a terem comportamentos adequados, evitando travessias por qualquer motivo na área do aeroporto e, também, preservando e respeitando o patrimônio. Em 2018 contou com a participação de 804 alunos.

—  Klabin na Comunidade

Como forma de fortalecer o relacionamento com a comunidade e aumentar o conhecimento sobre a empresa e seus produtos, a Klabin promove feiras itinerantes em vários municípios de atuação. A “Klabin na Comunidade” é realizada em locais públicos e convida a população a conhecer de perto o processo produtivo da empresa e alguns dos seus projetos sociais e ambientais. Em 2018, foram realizados 16 eventos em 10 municípios do Paraná, atingindo 7,6 mil pessoas. Também foi distribuída uma revista em todas as residências de Telêmaco Borba, Ortigueira e Imbaú abordando as iniciativas de sustentabilidade da Klabin nessas cidades e região para cerca de 113 mil pessoas.

 

—  Gerenciamento de impactos

(GRI 103-1, 103-2, 103-3, 413-2)

O gerenciamento de impactos das operações da Klabin inclui o mapeamento, a elaboração de matrizes e iniciativas específicas para controle e mitigação. As medidas para reduzir a poeira causada pelo tráfego de caminhões durante as atividades de colheita, por exemplo, envolvem umectação das vias, investimento em estradas, planejamento de rotas e procedimentos que limitam os horários de operação.

Em 2018, a Klabin iniciou testes no Paraná, colocando em operação caminhões com tanques de água acoplados que já fazem a umectação de vias enquanto transportam a madeira. A empresa estuda alternativas ao uso da água a partir de materiais provenientes do processo de produção, a fim de reduzir o uso desse recurso. Além disso, vem buscando soluções para reduzir a poeira, com produtos que façam maior agregação do solo. Também são promovidas campanhas de conscientização com os motoristas, contribuindo para a mitigação de impactos.

Medidas para diminuição de ruído e tráfego de veículos pesados também envolvem a nova Unidade Logística de Papel e Celulose de Paranaguá (PR), por onde está sendo escoada a celulose da Unidade Puma, além de outros produtos, para exportação. Nas operações industriais, os impactos são reavaliados sempre que ocorre alguma mudança significativa nos processos da empresa, como ampliação da capacidade de produção ou instalação de novos equipamentos.

A gestão dos impactos na empresa vem sendo aprimorada nos últimos anos com insumos de diagnósticos realizados para a implantação dos Fóruns de Desenvolvimento Local e o mapeamento e engajamento de stakeholders, que levam em conta, inclusive, a avaliação de impactos em direitos humanos, e também com as ações de mapeamento de stakeholders nas comunidades. Veja mais no item Direitos Humanos, neste capítulo.

Objetivos e metas da gestão do relacionamento com as comunidades

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

Objetivos Meta 2017 Resultado 2017 Meta 2018 Resultado 2018 Análise 2018 Meta 2019
Levantar e dimensionar os impactos negativos das operações da Klabin nas comunidades Aumentar em 9% (47% para 56%) a percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades nos 6 municípios pesquisados em 2016¹

Ampliar a realização da pesquisa de 6 para 9 municípios²

Aumento de 16% (47% para 62,8%) no indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades urbanas e rurais de 6 municípios Aumentar em 10% (63% para 73%) a percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades nos 9 municípios² Aumento de 16,6% (62,8% para 79,4%) no indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades urbanas e rurais de 9 municípios²

 

Pesquisa ampliada para 12 municípios4

Meta alcançada Manter em 80% o indicador de percepção de compro- metimento da Klabin com as comunidades em 9 municípios5
Acompanhar indicador de percepção do comprometimento da Klabin com as comunidades
Mensurar o nível de conhecimento das comunidades sobre a Klabin, seus projetos sociais e suas atividades
Monitorar a imagem e reputação da Klabin
Dar as devidas devolutivas para demandas como reclamações, denúncias, solicitações, dúvidas e sugestões em até 2 dias, com esclarecimentos e informações de tratativas3 Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias 79% dos contatos recebidos retornados em até 2 dias Retorno de até 80% das demandas em até 2 dias 72% dos contatos recebidos retornados em até 2 dias Meta não alcançada, devido ao número elevado de demandas recebidas e pela necessidade de checagem preliminar das mesmas Manter em 80% o retorno inicial dos contatos em até 2 dias

¹ Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva e Curiúva (PR)
² Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva, Curiúva, Congonhinhas, Ventania e Rio Branco do Ivaí (PR)
³ Danos às estradas, medidas de redução de poeira, entre outros
4 Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva, Curiúva, Congonhinhas, Ventania, Rio Branco do Ivaí, São Jerônimo da Serra, Sapopema e Cândido de Abreu (PR)
5 Ortigueira, Telêmaco Borba, Imbaú, Tibagi, Reserva, Curiúva, Sapopema, Ventania e Rio Branco do Ivaí (PR) – em 2019

—  Direitos humanos

(GRI 103-1,103-2, 103-3, 412-1)

A gestão da avaliação de Direitos Humanos na Klabin é amparada principalmente pelos seguintes documentos e políticas internas:

  • Código de Conduta,
  • Política de Diversidade,
  • Política de Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho,
  • Política de Diversidade e Promoção da Empregabilidade,
  • Política de Engajamento de Stakeholders,
  • Política de Capital Reputacional.

As Política de Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho e de Diversidade e Promoção da Empregabilidade abarcam as diretrizes estabelecidas pelos Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos, elaborado e aprovado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU.

As rotinas exigidas para certificações, como a OHSAS 18001, também protegem os direitos relativos à dignidade humana. Procedimentos internos da companhia ainda regem situações de resoluções de possíveis conflitos com comunidades locais e tradicionais.

Em 2018, 33% das operações da Klabin foram submetidas a avaliações de impacto ou análises em direitos humanos. Além do Índice de Progresso Social (IPS), aplicado no diagnóstico do Fórum de Desenvolvimento de Goiana (PE), e que traz elementos de avaliação de impactos em direitos humanos, a Klabin está estudando as metodologias que melhor atendam à realidade do negócio para que o processo de avaliação de direitos humanos seja instituído formalmente, abrangendo todas as unidades da companhia.

O compromisso da empresa com esse aspecto também é reforçado por iniciativas externas das quais a Klabin é apoiadora ou signatária (veja mais em Compromissos voluntários assumidos). A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, por exemplo, tem servido de base para que a Klabin trace metas e estratégias de atuação relacionadas ao tema.

Comunidades tradicionais

(GRI 411-1)

A empresa faz o mapeamento de todas as comunidades tradicionais em sua área de influência, como quilombolas, faxinalenses (comunidades do Paraná que habitam pequenos territórios e vivem de sua relação com a floresta) e indígenas. No relacionamento com elas, segue a legislação brasileira e as recomendações da OIT 169, resolução da Organização Internacional do Trabalho sobre Povos Indígenas e Tribais, garantindo seu direito ao consentimento livre, prévio, informado (FPIC).

Em 2012, foi realizado levantamento das linhas de base indígena e a análise das dinâmicas presentes nas Terras Indígenas Tybagi-Mococa e Queimadas, do povo Kaingang, situadas no Paraná. O estudo serve de base para o acompanhamento dessas populações por meio do Plano Básico Ambiental Indígena, com avaliações regulares. No período relatado, não houve casos de violação de direitos dos povos indígenas e das comunidades tradicionais.