A Klabin – Klabin

A Klabin

COM 120 ANOS DE ATUAÇÃO, QUATRO UNIDADES DE NEGÓCIO E 18 UNIDADES INDUSTRIAIS, A KLABIN OFERECE AOS MERCADOS INTERNO E EXTERNO UM AMPLO MIX DE PRODUTOS A PARTIR DE UM CICLO PRODUTIVO QUE COMEÇA EM SUAS FLORESTAS

—  Aspiração Klabin

Ser a companhia referência mundial em soluções responsáveis que atendam às constantes transformações da sociedade, com produtos de base florestal de usos múltiplos, renováveis, recicláveis e biodegradáveis.

Com o propósito de contribuir para a construção de uma economia sustentável e inspirar as escolhas do consumidor final, a Klabin prioriza a prosperidade do planeta, gerando valor para os seus investidores, colaboradores e parceiros de negócio.

—  Quem somos

(GRI 102-1, 102-5, 102-12)

A Klabin S.A. é uma sociedade anônima de capital aberto, fundada em 1899, com 17 unidades industriais no Brasil e uma na Argentina. É a maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, única do país a oferecer ao mercado soluções em celuloses de fibra curta, fibra longa e fluff, e líder nos mercados nacionais de embalagens de papelão ondulado e sacos industriais.

Para fornecer um amplo mix de produtos ao mercado, a Klabin trabalha com a visão integrada de seus negócios, desde a floresta até o escoamento da produção. Todo o seu ciclo produtivo é baseado na eficiência operacional plena, com quatro pilares direcionadores: alta performance, inovação, pessoas e sustentabilidade.

O compromisso com o desenvolvimento sustentável é uma premissa para os negócios da Klabin. Em linha com as macrotendências de consumo, a companhia está preparada para oferecer ao mercado soluções em embalagens seguras, leves, eficientes, recicláveis, provenientes de fontes renováveis, biodegradáveis e flexíveis.

A Klabin integra o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3, desde 2014. Também está engajada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), é signatária de iniciativas como o Pacto Global da ONU, o Pacto Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo e o Pacto Empresarial contra a Corrupção. A empresa busca fornecedores e parceiros de negócio que sigam esses mesmos valores de ética, transparência e respeito aos princípios de sustentabilidade.

>> EM LINHA COM AS NOVAS TENDÊNCIAS DE CONSUMO, A KLABIN ESTÁ PREPARADA PARA OFERECER EMBALAGENS LEVES, EFICIENTES E RECICLÁVEIS, PROVENIENTES DE FONTES RENOVÁVEIS, BIODEGRADÁVEIS E FLEXÍVEIS <<

—  Unidades de negócios

(GRI 102-2, 102-7)

Florestal

Responsável pelo manejo das florestas plantadas pela Klabin, o que inclui o planejamento, o plantio, a colheita e o transporte para o fornecimento de matéria-prima às fábricas de papel e celulose da empresa.

Celulose

Responsável pela produção de celulose de fibra curta (eucalipto), de fibra longa (pínus) e celulose fluff. Fabricada pela primeira vez no Brasil a partir de fibra longa, a celulose fluff é um importante insumo para a produção de fraldas, absorventes descartáveis e outros produtos.

Papéis

Produz papelcartão para líquidos e para as indústrias de alimentos, higiene e limpeza, eletroeletrônicos, entre outras. Apoiada em tecnologia de ponta, fabrica papel kraft usado em caixas de papelão ondulado e sacos industriais, além de produzir papel reciclado.

Embalagem

Converte papéis kraftliner e sack kraft em papelão ondulado e sacos industriais, respectivamente, utilizados pelos setores de alimentos, bebidas, hortifrutigranjeiros, de saúde, higiene pessoal, eletroeletrônicos e construção civil.

—  Onde estão nossas operações

(GRI 102-3, 102-4, 102-6, 102-7)

A Klabin tem sede administrativa na cidade de São Paulo e 18 unidades industriais, sendo 17 no Brasil e uma na Argentina. Possui escritórios comerciais em oito estados brasileiros, uma filial nos Estados Unidos, um escritório na Áustria, além de representantes e agentes comerciais em vários países.

As florestas da empresa são cultivadas em três estados – Paraná, Santa Catarina e São Paulo -, com alto índice de preservação em um dos biomas mais ameaçados do país, a Mata Atlântica.

 

—  Base florestal de alta produtividade

Numa cadeia integrada de produção, a madeira para a fabricação da celulose utilizada na manufatura dos papéis e embalagens ou vendida ao mercado vem de florestas plantadas de pínus e eucalipto, que apresentam um dos maiores índices de produtividade do mundo, além de estarem localizadas em áreas próximas às fábricas, o que confere grande competitividade às operações.

Para a Klabin, o respeito ao meio ambiente é um valor intimamente ligado à essência do seu negócio. A empresa mantém 43% de sua área florestal destinados à conservação e à manutenção da biodiversidade.

  • 216 mil hectares de florestas nativas

  • 239 mil hectares de florestas plantadas de pínus e eucalipto

  • 30 mil hectares plantados em 2018, em terras próprias e de terceiros

—  Processos e destinos da produção

(GRI 102-6)

Os produtos da Klabin são voltados, principalmente, às indústrias dos segmentos de alimentos (leite, carnes frigorificadas, frutas, entre outros), saúde e higiene pessoal, higiene e limpeza, construção civil e eletroeletrônicos. Além de atender ao mercado brasileiro, onde é líder nos segmentos em que atua, a empresa exporta para 69 países em todo o mundo.

Exportações

 

 Capacidade de produção

Processos produtivos

—  Melhoria contínua

Para cada R$ 1 investido em melhoria contínua, R$ 10 retornam para a companhia. Essa é a estimativa da Klabin com o Programa Klabin Superar (PKS), iniciativa que tem base na metodologia TPM – Gestão Produtiva Total – e é adotado desde 2002. O PKS é composto por pilares, focados em temas diversos (gestão autônoma, investigação, manutenção planejada e times de melhoria, por exemplo), que direcionam o trabalho de Times Internos de Melhoria (TIMs) específicos e várias outras iniciativas para a solução de problemas recorrentes ou de maior complexidade.

>> EM 2018, O PROGRAMA GEROU GANHOS DE MAIS DE R$ 11,5 MILHÕES À COMPANHIA. EM 17 ANOS DO PROGRAMA, FORAM FORMADOS 681 TIMES INTERNOS DE MELHORIA, COM A PARTICIPAÇÃO DE 4.169 COLABORADORES <<

Para garantir a excelência dos processos e produtos a partir da melhoria contínua, são necessários o envolvimento e a valorização das pessoas. Por isso, além da capacitação na ferramenta Kaizen (metodologia japonesa focada em melhoria) para os facilitadores, existe o Programa Único de Reconhecimento (PUR). A iniciativa premia os colaboradores que participam dos projetos de melhoria contínua e de atividades para aprimoramento dos resultados nas fábricas.

—  Governança

(GRI 102-10, 102-18)

Os principais órgãos de governança da Klabin são a Assembleia Geral de Acionistas, o Conselho de Administração, o Conselho Fiscal e a Diretoria, que atuam em sinergia para o alcance de resultados econômicos, financeiros, sociais e ambientais. Em 2018, não houve alterações significativas na estrutura da companhia. As mudanças pontuais em sua estrutura organizacional, como a formação de comissões fixas de gestão, tiveram como objetivo manter uma equipe cada vez mais coesa, permitindo que a companhia siga em sua trajetória de crescimento de forma resiliente e sustentável.

Comissões fixas garantem mais qualidade e agilidade às decisões

Com vistas ao aprimoramento de suas práticas de gestão, em 2018, a Klabin incrementou sua estrutura de governança corporativa com a implantação de Comissões Fixas. Com esse modelo, a companhia passa a ter comissões específicas, divididas por temas, que irão discutir, planejar e validar estratégias de apoio aos negócios. A reestruturação acompanha o novo ciclo de crescimento da companhia, na busca constante pelo aperfeiçoamento de sua eficiência operacional e o fortalecimento do mapeamento de oportunidades de negócios.

Com o novo modelo, a Klabin acredita assegurar mais qualidade e agilidade nos processos decisórios. Foram criadas as Comissões Fixas de “Estratégia e Mercado”, “Gente”, “Investimentos”, “Inovação”, “Gestão de Riscos” e “Sustentabilidade”. Compostas por diretores, cada um dos grupos conta com um patrocinador, que assegura a atuação da comissão e a relevância das iniciativas, e um gerente responsável, que fica à frente da dinâmica de funcionamento. Todas as decisões discutidas pelas comissões são submetidas à validação da Diretoria Executiva da Klabin.

—  Nova estrutura atende à dinâmica dos negócios

A reestruturação da Diretora de Tecnologia Industrial, Inovação e Sustentabilidade, em 2018, reforça a estratégia da Klabin para o crescimento sustentado, a competitividade, o atendimento às demandas dos clientes e às novas oportunidades de negócios. A nova estrutura é sustentada pela integração e sinergia entre várias gerências.

A Gerência de Tecnologia de Automação tem o objetivo de otimizar soluções e gerenciar a evolução da companhia frente às demandas em automação, sistemas avançados de controle e Indústria 4.0. Já a Gerência de Sustentabilidade e Meio Ambiente atua para consolidar e disseminar corporativamente as práticas de sustentabilidade nos ambientes industrial e florestal. Reforçam essa estrutura a Gerência de Inovação, a Gerência Corporativa de Pesquisa & Desenvolvimento e a Gerência Geral de Projetos.

—  Composição da Diretoria e do Conselho de Administração

(GRI 102-18)

DIRETORIA (2018)

  • Cristiano Teixeira – Diretor-Geral
  • Arthur Canhisares –  Diretor Industrial de Papéis
  • Gustavo Sousa – Diretor Financeiro e Relações com Investidores
  • Francisco César Razzolini – Diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose
  • José Totti – Diretor Florestal
  • Sérgio Piza – Diretor de Gente e Serviços Corporativos
  • Fábio Medeiros – Diretor Jurídico e Compliance
  • Flavio Deganutti – Diretor Comercial de Papéis (Cartões e Kraft)
  • Douglas Dalmasi – Diretor de Embalagem
  • Edgard Avezum Junior – Diretor Comercial de Cartões
  • Gabriella Michelucci – Diretora de Papelão Ondulado e Reciclados
  • José Soares – Diretor Comercial de Celulose
  • Sadi Carlos de Oliveira – Diretor Industrial de Celulose
  • Sandro Ávila – Diretor de Planejamento Integrado
 

DIRETORIA (COMPOSIÇÃO ATUAL)

  • Cristiano Teixeira – Diretor-Geral
  • Arthur Canhisares –  Diretor Industrial de Papéis
  • Francisco César Razzolini – Diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Negócio Celulose
  • José Totti – Diretor Florestal
  • Sérgio Piza – Diretor de Gente e Serviços Corporativos
  • Fábio Medeiros – Diretor Jurídico e Compliance
  • Flavio Deganutti – Diretor Comercial de Papéis (Cartões e Kraft)
  • Douglas Dalmasi – Diretor de Embalagens
  • Gabriella Michelucci – Diretora de Embalagens de Papelão Ondulado
  • José Soares – Diretor Comercial de Celulose
  • Sandro Ávila – Diretor de Planejamento Operacional, Logística e Suprimento
 

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (2018)

MEMBROS EFETIVOS
  • Armando Klabin
  • Celso Lafer
  • Daniel Miguel Klabin
  • Paulo Sérgio Coutinho Galvão Filho
  • Israel Klabin
  • Roberto Klabin Martins Xavier
  • Francisco Lafer Pati
  • Horácio Lafer Piva
  • Roberto Luiz Leme Klabin
  • Sérgio Francisco Monteiro de Carvalho Guimarães
  • Joaquim Pedro Monteiro de Carvalho Collor de Mello
  • Vera Lafer
  • Helio Seibel
MEMBROS SUPLENTES
  • Bernardo Klabin
  • Reinoldo Poernbacher
  • Amanda Klabin Tkacz
  • Graziela Lafer Galvão
  • Alberto Klabin
  • Lilia Klabin Levine
  • Luis Eduardo Pereira de Carvalho
  • Eduardo Lafer Piva
  • Marcelo Bertini de Rezende Barbosa
  • Olavo Egydio Monteiro de Carvalho
  • Camilo Marcantonio Junior
  • Vera Lafer Lorch Cury
  • Francisco Amaury Olsen
 

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (2019)

MEMBROS EFETIVOS
  • Daniel Miguel Klabin
  • Armando Klabin
  • Pedro Oliva Marcilio de Sousa
  • José Luis de Salles Freire
  • Horacio Lafer Piva
  • Israel Klabin
  • Paulo Sergio Coutinho Galvão Filho
  • Roberto Klabin Martins Xavier
  • Roberto Luiz Leme Klabin
  • Joaquim Pedro Monteiro de Carvalho Collor de Mello
  • Sérgio Francisco Monteiro de Carvalho Guimarães
  • Vera Lafer
  • Mauro Cunha
  • Amaury Bier
MEMBROS SUPLENTES
  • Amanda Klabin Tkacz
  • Wolff Klabin
  • Alberto Klabin
  • Francisco Lafer Pati
  • Francisco Amaury Olsen
  • Celso Lafer
  • Vivian do Valle S. L. Mikui
  • Lilia Klabin Levine
  • Marcelo Bertini de Rezende Barbosa
  • Camilo Marcantonio Junior
  • Olavo Egydio Monteiro de Carvalho
  • João Verner Jeunemann
  • Vera Lafer Lorch Cury
  • Luis Eduardo Pereira de Carvalho

—  Riscos e Controles Internos

(GRI 102-11)

Em 2018 a Klabin passou a contar com uma Gerência de Riscos e Controles Internos. Pautada nos princípios de crescimento sustentável e transparência, a área busca garantir as melhores práticas, apoiando as unidades de negócio na análise de seus processos com foco em controles e avaliação de riscos. Com isso, a companhia aprimora a gestão do tema e passa a atuar de forma mais preventiva, tornando processos decisórios mais seguros.

O gerenciamento de riscos atua na identificação, avaliação e monitoramento de potenciais eventos e situações que possam afetar os objetivos de negócio, fornecendo suporte à Comissão de Riscos da Diretoria. Já a área de controles internos tem foco em segurança, mapeamento, padronização e melhoria contínua dos processos, buscando garantir o cumprimento das normas vigentes.

Avaliação completa de riscos

Em 2018, a Política de Riscos da companhia foi atualizada. O trabalho envolveu uma avaliação detalhada dos riscos em 36 áreas da empresa, de todos os negócios, e compreendeu análise de impacto e vulnerabilidade, resultando na criticidade de cada risco. Foram considerados riscos de natureza estratégica, financeira, operacional, regulatória e ambiental. Para aqueles considerados de alta criticidade, a Gerência de Riscos propôs planos de ação com alternativas para mitigação e controles.

Após aprovação da Política pelo Conselho de Administração, o que deve acontecer em 2019, e sempre que houver revisão, a Comissão de Riscos será a responsável pelo tratamento, monitoramento e comunicação dos riscos aos demais departamentos da companhia. Dessa forma, a Klabin caminha para a reestruturação do processo de gestão de crise, que reforça ainda mais a base de sustentação de sua visão de futuro.

—  Políticas e códigos

(GRI 102-16, 103-2, 103-3)

As decisões na Klabin são norteadas por elevados valores de moralidade, dignidade, liberdade, integridade, lealdade, transparência e justiça. Como suporte às melhores práticas e para manter os mesmos padrões de conduta em toda a companhia, no Brasil e no exterior, a empresa adota um conjunto de códigos e políticas que fortalece seus princípios e orienta suas decisões.

Um deles é o Código de Conduta. Ele reúne os valores e as diretrizes da Klabin e orienta o relacionamento com seus públicos, sendo adotado por todos os colaboradores e difundido para os fornecedores. Para conhecer a íntegra do Código de Conduta, acesse o aqui.

O Manual Anticorrupção tem o objetivo de fortalecer os conceitos do Código de Conduta e reafirmar o compromisso com as boas práticas comerciais da companhia. Para isso, detalha os procedimentos anticorrupção praticados pela empresa e explica quais atos podem ser associados à prática de corrupção, incluindo penalidades previstas.

A Política de Sustentabilidade formaliza os compromissos da Klabin, atrelando práticas, negócios e operações à qualidade dos produtos, ao ambiente seguro para os colaboradores e à agenda de desenvolvimento sustentável, entre outros. Veja Política de Sustentabilidade.

—  Programa de Integridade Reforça Compromisso com a Ética

(GRI 103-1, 103-2, 103-3, 205-1)

Em 2018, a Klabin criou a área de Integridade, vinculada à Diretoria Jurídica, o que permitiu melhorias na estruturação e no planejamento de iniciativas relacionadas ao tema. Com o apoio de uma consultoria, os riscos de integridade inerentes ao negócio foram mapeados, avaliados e incorporados à matriz de riscos da empresa. O trabalho resultou em um plano de melhorias, que contempla revisão de políticas e procedimentos, entre outras ações, atrelando metas à execução do Programa de Integridade da Klabin.

O processo de mapeamento de riscos, incluindo os relacionados à corrupção, envolveu workshops e entrevistas com todos os diretores, além de questionários aplicados aos gerentes das unidades da Klabin no Brasil e na Argentina, totalizando 100% das operações.

O Programa de Integridade reúne uma série de procedimentos para prevenir, detectar e remediar condutas que possam expor a Klabin a situações indesejadas, além de instituir iniciativas de melhores práticas globais relacionadas ao assunto. Está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e é destinado a todos aqueles que atuam ou se relacionam com a Klabin, em interações públicas e privadas.

O Programa tem como seu pilar principal o fortalecimento da cultura ética, tendo como pilares estratégicos  o Código de Conduta, o Manual Anticorrupção, a Política Concorrencial (em fase de divulgação em 2019) e a Ouvidoria. A empresa é signatária do Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção e adere à Carta Compromisso do Movimento Empresarial pela Integridade e Transparência, ambos do Instituto Ethos.

Práticas adotadas por meio do Programa de Integridade

· Elaboração de normas, políticas e procedimentos mitigadores de riscos identificados;
· Ações de comunicação, incluindo a Semana da Ética Klabin;
· Treinamentos para temas relacionados a concorrência, assédio, combate à corrupção, entre outros;
· Canal de denúncia, com a devida gestão e apuração de casos reportados (envolvendo a área de Auditoria Interna);
· Diligência de integridade em transações comerciais capazes de representar risco à companhia.

—  Prevenção e Combate à Corrupção

(GRI 103-1, 205-1, 205-3)

Por considerar a corrupção um tema crítico, que representa risco aos negócios, a Klabin tem iniciativas em várias frentes orientadas por seu Código de Conduta e pelo Manual Anticorrupção, materiais que são entregues e divulgados a todos os colaboradores, que firmam, por assinatura, seu recebimento, conhecimento e compromisso. A aderência de parceiros comerciais ao Código de Conduta e Manual Anticorrupção é formalizada em cláusulas expressas em contratos.

Além das ações de comunicação, a Klabin promove treinamentos sobre o tema para todos os colaboradores (veja o tabelas a seguir). Para aprimorar a gestão do tema e garantir mais abrangência às ações de prevenção, a companhia avalia a realização de treinamentos para grupos específicos de colaboradores, a partir da criticidade de suas interações com o poder público, já identificadas na avaliação de riscos de corrupção. E também vem direcionando esforços para intensificar e aprimorar ações de comunicação e treinamento da Política Anticorrupção aos fornecedores e prestadores de serviço, a partir da classificação desses grupos por nível de criticidade, processo que já está em andamento e deve ser consolidado até 2020.

Conflitos de interesses

Algumas medidas que serão implantadas em breve pretendem aprofundar ainda mais a gestão da companhia no que se refere a conflitos de interesses. Uma política específica sobre o tema está em aprovação; também está prevista a implementação do questionário Know Your Vendor (Conheça seu Fornecedor, metodologia amplamente utilizada para monitorar a cadeia de fornecimento), além da aquisição de um sistema específico de avaliação de riscos e gestão de terceiros.

Em 2018, não houve processos judiciais públicos relacionados à corrupção movidos contra a organização ou seus colaboradores.

 

—  Comunicação e Treinamento Anticorrupção

(GRI 205-2)

Em 2018, quase 70% dos colaboradores próprios da Klabin foram comunicados sobre os procedimentos e políticas de combate à corrupção; 36% foram treinados no tema. Entre os membros de órgãos de administração da companhia, 100% foram comunicados no tema, enquanto 92% foram treinados. Em relação a prestadores de serviços, quase 95% foram comunicados sobre o tema.

Colaboradores próprios treinados e comunicados em políticas e procedimentos de combate à corrupção, por região1

2018 2017 2016
Comunicados Treinados Comunicados Treinados Comunicados Treinados
Região Norte Nº total 33 14 32 15 36 8
% 13,64% 5,79% 16,00% 7,50% 12,04% 2,68%
Região Nordeste Nº total 427 116 135 116 149 122
% 33,13% 9,00% 10,76% 9,24% 11,51% 9,43%
Região Sudeste Nº total 2.531 835 2.266 841 1.429 720
% 86,71% 28,61% 72,70% 26,98% 45,18% 22,76%
Região Sul Nº total 6.873 4.156 6.657 3.942 6.166 3.132
% 69,99% 42,32% 67,71% 40,09% 70,60% 35,86%
Total Nº total 9.864 5.121 9.090 4.914 7.780 3.982
% 69,12% 35,89% 63,11% 34,12% 58,06% 29,72%

1 A empresa não possuía, no período, colaboradores na região Centro-Oeste.

 

Membros dos órgãos de administração da companhia treinados e comunicados em políticas e procedimentos de combate à corrupção1

2018 2017 2016
Comunicados Treinados Comunicados Treinados Comunicados Treinados
Nº total 13 12 14 14 15 11
% 100,00% 92,31% 100,00% 100,00% 100,00% 73,33%

1 Todos os membros de órgãos de governança estão na região Sudeste.

 

Parceiros de negócios treinados e comunicados em políticas e procedimentos de combate à corrupção1

2018 2017 2016
Comunicados Treinados Comunicados Treinados Comunicados Treinados
Nº total 998                       – 873                       – 737                       –
% 94,42% 0,00% 90,84% 0,00% 88,58% 0,00%

1Neste item, é informada a quantidade total (considerando todas as regiões) de prestadores de serviços e, deste total, a quantidade cujos contratos possuem Cláusula Anticorrupção. A diferença entre as quantidades corresponde a acordos de preços, contratos de software, contratos de parceria, locação, contratos com imobiliárias e companhias aéreas.

—  Treinamento sobre Política Concorrencial

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

Em 2018, a Klabin promoveu treinamentos sobre Lei Concorrencial a aproximadamente metade dos colaboradores da área comercial, considerando os cargos de analistas a gerentes e diretores. Para 2019, está prevista a divulgação da Política Concorrencial e uma nova rodada de treinamentos presenciais e, também, e-learning aos colaboradores via portal da Escola de Negócios Klabin (ENK).

—  Reforços para o Processo de Denúncias

(GRI 103-1, 103-2, 103-3)

A Klabin possui procedimento de identificação e acompanhamento das tratativas e cumprimento legal de possíveis situações relacionadas a direitos humanos, como os canais de Ouvidoria, destinados aos públicos interno e externo. A criação da Comissão de Integridade, que deve entrar em vigor em 2019, reforça a evolução da governança desse tema na companhia. O órgão, formado por representantes das diretorias Jurídica, Gente e Serviços Corporativos e um diretor Comercial (em sistema de rodízio), será responsável pela avaliação de denúncias.

Futuramente, terá a participação de um consultor independente e de uma auditoria. O objetivo é que as informações extraídas desse processo possam ser usadas como instrumento de gestão, permitindo atuar na raiz do problema, com ações para prevenir qualquer violação de direitos humanos e possibilitar mitigação de impactos.

—  Governança da sustentabilidade

(GRI 102-18)

Tendo em vista sua estratégia de crescimento, em abril de 2018, a Klabin reviu sua estrutura de governança executiva para a Sustentabilidade, permitindo que fosse dado um passo adiante na evolução de suas práticas de gestão. A estrutura anterior deu lugar a uma Comissão Fixa de Sustentabilidade, formada por diretores de cinco áreas e um gerente.

O grupo se reúne a cada três meses e tem o papel de definir diretrizes, avaliar necessidade de investimentos e priorizar iniciativas, promovendo discussões prévias e reflexões sobre temas relacionados à sustentabilidade que serão levados à análise e aprovação final da Diretoria Executiva. Com essa nova estrutura, a companhia acredita assegurar qualidade e agilidade nos processos decisórios, alavancando a gestão da sustentabilidade.

—  Visão de sustentabilidade

Acreditamos que Sustentabilidade é criação contínua de valor, que privilegia o equilíbrio entre as esferas econômica, social e ambiental. Somos uma empresa de base florestal diferenciada e de gestão responsável, compromissada com a biodiversidade. Trabalhamos de forma colaborativa com nossos clientes e fornecedores, sempre pautados pela inovação e melhoria constante de nossos produtos e processos. Promovemos o engajamento e desenvolvimento da nossa gente e comunidades onde atuamos, visando resultados crescentes e sustentáveis para toda a cadeia de valor, de forma integrada.

—  Política de sustentabilidade

  • Buscar a qualidade competitiva, visando à melhoria sustentada dos seus resultados, pesquisando, desenvolvendo e aperfeiçoando continuamente processos, produtos e serviços, existentes e novos, para atender às expectativas de clientes, colaboradores, acionistas, comunidade e fornecedores e dos demais públicos de relacionamento.

  • Promover a colaboração com clientes, fornecedores, academia e outras partes interessadas na busca por inovação para os produtos e os processos e por melhorias para a cadeia de valor.

  • Garantir a valorização da base florestal a partir de sua transformação em produtos sustentáveis e competitivos.

  • Assegurar o suprimento de madeira plantada para as suas unidades industriais de forma sustentada, sem agredir os ecossistemas naturais associados, nas operações próprias e em fomentados.

  • Praticar e promover a reciclagem de fibras celulósicas em sua cadeia produtiva

  • Evitar e prevenir a poluição por meio da redução dos impactos ambientais relacionados a efluentes hídricos, resíduos sólidos e emissões atmosféricas, considerando constantemente esses elementos na manutenção e na melhoria de processos produtivos, no desenvolvimento e no aperfeiçoamento de produtos, em operações florestais e logísticas, e no monitoramento de fornecedores críticos em função de aspectos econômicos e socioambientais.

  • Buscar aplicar as mais eficientes e atuais tecnologias e soluções de engenharia na implantação de novos projetos e empreendimentos, zelando pela proteção da saúde humana, dos recursos naturais e do meio ambiente.

  • Promover o crescimento pessoal e profissional dos seus colaboradores e a busca da melhoria contínua das condições de trabalho, saúde e segurança.

  • Promover uma cultura de disseminação da ética e desenvolver as melhores práticas de governança corporativa.

  • Observar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) e orientar suas ações e seus investimentos para o fortalecimento dessa agenda, agindo de modo afirmativo em favor do desenvolvimento socioambiental positivo dos locais onde atua.

  • Praticar a responsabilidade social com foco nas comunidades onde atua de acordo com a plataforma de investimento social privado, com base nas linhas de atuação de desenvolvimento local e educação.

  • Atender à legislação e às normas aplicáveis ao produto, ao meio ambiente, à saúde e à segurança

  • Assegurar que as operações da companhia busquem constantemente a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEEs).

—  Compromisso de Longo Prazo com os ODS

A Klabin aderiu voluntariamente aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em 2016. A iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU) reúne governos, sociedade civil e setor privado em uma agenda mundial a favor das pessoas, do planeta, da paz e da prosperidade, definindo prioridades e aspirações globais para 2030. Desde então, a Klabin vem trabalhando não só para evidenciar as iniciativas que já adota e contribuem para essa agenda, como também para identificar novas oportunidades de atuação e estimular que os ODS estejam cada vez mais integrados ao planejamento estratégico da companhia. Para saber mais sobre os ODS consulte o site.

Em 2018, a empresa trabalhou na criação de uma agenda própria de desenvolvimento sustentável, a Agenda Klabin 2030. Com o apoio de uma consultoria, foi elaborada uma matriz de materialidade, apontando as dimensões identificadas como prioritárias do ponto de vista da sustentabilidade. Esse exercício envolveu entrevistas com 36 gestores, contemplando todos os negócios da Klabin, e consultas junto a fornecedores e parceiros durante o “Inova Klabin”, evento da companhia, que promoveu reflexões e debates com a sociedade sobre temas importantes relacionados à inovação, tecnologia e sustentabilidade (veja capítulo Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação).

A priorização dos temas identificados é a base da Agenda Klabin 2030, com metas de curto, médio e longo prazos, e darão origem ao KODS – Klabin Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O documento será levado para validação do Comitê de Sustentabilidade, criado em 2019, e depois para a Comissão Fixa de Sustentabilidade, visando à efetiva implantação dos KODS.

Engajamento

Mesmo antes do lançamento dos KODS, o time de Sustentabilidade vem percorrendo diversas unidades de negócio, desde 2018, para apresentar os ODS e as iniciativas da Klabin.

A comunicação sobre o tema vem sendo estendida ao público externo com o lançamento da websérie “Por um futuro renovável”, que disponibiliza mensalmente vídeos nas redes sociais da Klabin sobre sustentabilidade. Assista aqui aos vídeos já divulgados.

—  Participação setorial

(GRI 102-13)

A governança da sustentabilidade na Klabin é reforçada pela participação da empresa em associações e organizações nacionais ou internacionais como associada, membro de comissões ou comitês, ou como integrante de conselhos de governança.

 

Entidade Participação em órgãos de governança Participação em comitês
Indústria Brasileira de Árvores (IBÁ) Membro titular Comitê de Certificação; Comitê de Mudanças do Clima; Comitê Diretor Florestal; Comitê de Defesa Florestal; Comitê de Biotecnologia; Comitê de Biodiversidade; Grupo de Trabalho da Política Nacional de Resíduos Sólidos
Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO) Presidência Grupo Mercado de Aparas; Grupo Tributário
Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP) Vice-presidente do Conselho executivo
Associação dos Usuários SAP do Brasil (ASUG Brasil) Diretoria de Educação
CIONET  Conselho
Sindicato das Indústrias de Papel e Celulose do Paraná Diretoria (suplência)
Sindicato da Indústria de Papelão do Estado de São Paulo (Sinpesp) Presidência
Sindicato da Indústria do Papel, Celulose e Pasta de Madeira para Papel no Estado de São Paulo (SIP/SP) Conselho de Administração
Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre) Vice-presidência
Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas (Florestar São Paulo) Membro titular
Associação dos Proprietários de Reservas Particulares do Patrimônio Natural de Santa Catarina Associado
Grupo de Trabalho de Educação Ambiental da Região Hidrográfica 04 do Estado de Santa Catarina Representante
Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR) Vice-presidência
Entidades de pesquisa
Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF) Conselho Deliberativo; Membro titular Grupo de empresas florestais em parceria com Universidade de São Paulo (USP); Programa Cooperativo de Certificação Florestal; Programa Cooperativo Monitoramento de Microbacias; Programa Cooperativo de Silvicultura e Manejo
Sociedade de Investigações Florestais (SIF) – Universidade Federal de Viçosa Conselho Deliberativo Membro do Conselho
Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) Parcerias para pesquisa Termo de Cooperação Técnica e Científica
Outras entidades
Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Canoas Conselho Consultivo
Comitê da Bacia do Rio Tibagi Membro titular
Consórcio para Proteção Ambiental do Rio Tibagi (COPATI) Conselho de Administração
Coalizão Embalagens – PNRS (IBÁ) Coordenação Externa
Empresas pelo Clima (EPC – FGVces) Membro participante
Simulação de Sistema de Comércio de Emissões (SCE-FGVces) Membro participante
Iniciativa Ciclo de Vida Aplicado (CIVIA – FGVces) Membro participante
Comitê de Sustentabilidade e Meio Ambiente ABRE (Associação Brasileira de Embalagens) Membro participante
Comitê de Mudanças Climáticas (IBÁ) Membro participante
GT Inventário de Gases de Efeito Estufa (IBÁ) Membro participante
Pacto Global – Grupo Temático Energia e Clima; Direitos Humanos e ODS Membro participante
Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) Membro participante
Balanço Energético Nacional (BEN) Membro participante
ECOVADIS Membro participante
Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE) Membro participante
Movimento Empresarial pela Biodiversidade Comitê de Comunicação
World Containerboard Organisation (WCO) Diretoria
International Corrugated Case Association (ICCA) Diretoria
Cooperativa Central America and Mexico Coniferous Resources (Camcore), Carolina do Norte (EUA) Conselho Científico Membro de consórcio de pesquisas e estudos para pínus
Sociedade de Investigação Florestal (SIF) da Universidade de Viçosa Presidência
Grupo Executivo de Tecnologia (GETEC) Membro
FSC International Membro titular Policy and Standards Committee (PSC)
Diálogo Florestal – Fórum PR/SC Membro titular
Diálogo Florestal – Fórum SP Conselho de Coordenação
Diálogo Florestal Nacional Conselho de Coordenação
The Forests Dialogue Membro titular; Leader; Advisory Board Steering Committee; Executive Team; Tree Plantations in Landscape; Land Use Dialogue
Parcerias em pesquisa no exterior
Forest Productivity Cooperative (FPC) North Carolina State University; Universidade de Toronto; Lund – Universidade da Suécia
Central American and Mexico Coniferous Resources Cooperative Conselho Científico; Membro de consórcio de pesquisas e estudos para pínus
Universidade de Toronto Consórcio de Celulose e Papel
Melodea Diretoria
North Carolina State University (NCSU) Consórcio de Pesquisa Membro
Research Institutes of Sweden (RISE) Consórcio de Pesquisa Membro
Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel (ABTCP) Conselho Executivo, Comissão Membro do Conselho, Comissões Técnicas
Comitê de Produtores – Tappi Nano Membro Membro do Comitê

—  Compromissos voluntários assumidos

  • Pacto Global, desde 2003

    MOBILIZAÇÃO INTERNACIONAL DE EMPRESAS EM APOIO À ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) NA PROMOÇÃO DE DEZ PRINCÍPIOS QUE REÚNEM VALORES FUNDAMENTAIS NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, DIREITOS HUMANOS E TRABALHISTAS E DE COMBATE À CORRUPÇÃO. O PACTO GLOBAL É UMA CONTRIBUIÇÃO VOLUNTÁRIA DAS EMPRESAS PARA A BUSCA DE UMA ECONOMIA GLOBAL MAIS SUSTENTÁVEL E INCLUSIVA. EM 2018, A KLABIN APOIOU O PROJETO “O MUNDO QUE QUEREMOS”, QUE PROMOVE A CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE OS DIREITOS HUMANOS E A VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE COM UMA AGENDA DE AÇÕES MENSAIS COM DEBATES, MOSTRAS CULTURAIS E FESTIVAIS RELACIONADOS A DIVERSOS GRUPOS, ENTRE ELES, MULHERES, INDÍGENAS, LGBTQI+, REFUGIADOS E NEGROS. SAIBA MAIS EM http://omundoquequeremos.org

  • Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), desde 2015

    CONSTITUEM UMA AGENDA MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO COM 17 OBJETIVOS E 169 METAS ESTABELECIDOS PELA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU) PARA GOVERNOS, SOCIEDADE CIVIL E SETOR PRIVADO.

  • PRINCÍPIOS DE EMPODERAMENTO DAS MULHERES DA ONU, DESDE 2018

    PARA REFORÇAR O COMPROMISSO COM A DIVERSIDADE E PROMOVER UM AMBIENTE INCLUSIVO, A KLABIN ADERIU, EM 2018, AOS SETE PRINCÍPIOS DE EMPODERAMENTO DAS MULHERES (WEPS, NA SIGLA EM INGLÊS). A INICIATIVA DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PELA IGUALDADE DE GÊNEROS (ONU MULHERES) ORIENTA AS EMPRESAS NO EMPODERAMENTO DAS MULHERES DENTRO DA ORGANIZAÇÃO, DA CADEIA DE VALORES E NAS COMUNIDADES. SAIBA MAIS EM http://www.onumulheres.org.br/.

  • MOVIMENTO EMPRESARIAL PELA INTEGRIDADE E TRANSPARÊNCIA, DESDE 2018

    CRIADO PELO INSTITUTO ETHOS, TEM COMO OBJETIVO DEFINIR ESTRATÉGIAS E PRIORIDADES PARA O ENGAJAMENTO DOS LÍDERES EMPRESARIAIS NA AGENDA DA INTEGRIDADE, COM FOCO ESPECIAL NO APRIMORAMENTO DAS RELAÇÕES PÚBLICO-PRIVADAS E NO FORTALECIMENTO DA PREVENÇÃO E DO COMBATE À CORRUPÇÃO NO BRASIL.

  • Carbon Disclosure Project (CDP), desde 2006

    INICIATIVA MUNDIAL PARA FACILITAR O DIÁLOGO ENTRE INVESTIDORES E EMPRESAS QUE PROCURAM MINIMIZAR OS IMPACTOS AMBIENTAIS DE SEUS NEGÓCIOS DIANTE DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS.

  • EMPRESAS PELO CLIMA (EPC), DESDE 2009

    PLATAFORMA EMPRESARIAL PERMANENTE QUE TEM O OBJETIVO DE MOBILIZAR, SENSIBILIZAR E ARTICULAR LIDERANÇAS EMPRESARIAIS PARA A GESTÃO E A REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE), A GESTÃO DE RISCOS CLIMÁTICOS E A PROPOSIÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E INCENTIVOS POSITIVOS NO CONTEXTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS.

  • Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), desde 2013

    CRIADO EM DEZEMBRO DE 2005 PELA ENTÃO BM&FBOVESPA, ATUAL B3, O ÍNDICE BUSCA AVALIAR DE FORMA INTEGRADA OS DIFERENTES ASPECTOS DA SUSTENTABILIDADE. SEU OBJETIVO É ATUAR COMO INDUTOR DE BOAS PRÁTICAS NO MEIO EMPRESARIAL BRASILEIRO. AS EMPRESAS SÃO SELECIONADAS COM BASE EM CRITÉRIOS ESTABELECIDOS PELA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO, DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (EAESP-FGV).

  • IDLocal, desde 2013

    A INICIATIVA DESENVOLVIMENTO LOCAL E GRANDES EMPREENDIMENTOS (IDLOCAL) VISA A ARTICULAR O SETOR EMPRESARIAL PARA REFLETIR, TROCAR EXPERIÊNCIAS E CONSTRUIR PROPOSTAS E DIRETRIZES EMPRESARIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL. PROMOVE O DIÁLOGO, O ESTUDO, A ARTICULAÇÃO E A COCRIAÇÃO DE PROPOSTAS, METODOLOGIAS E FERRAMENTAS DE GESTÃO LOCAL. TUDO COM VISTAS A INSERIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS DAS EMPRESAS RESPONSÁVEIS POR INVESTIMENTOS EM TERRITÓRIOS MAIS VULNERÁVEIS.

  • Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo, desde 2013

    LANÇADO EM 2005, REÚNE EMPRESAS BRASILEIRAS E MULTINACIONAIS QUE ASSUMIRAM O COMPROMISSO DE NÃO NEGOCIAR COM QUEM EXPLORA O TRABALHO ESCRAVO. ALÉM DE RESTRINGIR ECONOMICAMENTE OS EMPREGADORES QUE COMETEM ESSE CRIME, O PACTO PREVÊ A PROMOÇÃO DO TRABALHO DECENTE, A INTEGRAÇÃO SOCIAL DOS TRABALHADORES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE E O COMBATE AO ALICIAMENTO. AS EMPRESAS QUE SÃO SIGNATÁRIAS DESTA INICIATIVA PARTICIPAM DO PROCESSO DE MONITORAMENTO DO PACTO E TÊM O COMPROMISSO DE TORNAR PÚBLICOS OS RESULTADOS DE SEUS ESFORÇOS PARA BANIR O TRABALHO ESCRAVO.

  • Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção, desde 2013

    O PACTO FOI LANÇADO EM JUNHO DE 2006, POR INICIATIVA DO INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL, DO UNIETHOS – FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO SOCIALMENTE RESPONSÁVEL, DA PATRI RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS & POLÍTICAS PÚBLICAS, DO PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD), DO ESCRITÓRIO DAS NAÇÕES UNIDAS CONTRA DROGAS E CRIME (UNODC) E DO COMITÊ BRASILEIRO DO PACTO GLOBAL. OS PRINCIPAIS COMPROMISSOS EXPRESSOS NO TEXTO SÃO: INFORMAÇÃO SOBRE LEGISLAÇÃO; DIVULGAÇÃO, ORIENTAÇÃO E RESPOSTAS SOBRE PRINCÍPIOS LEGAIS APLICÁVEIS ÀS SUAS ATIVIDADES; VEDAÇÃO AO SUBORNO; CONTRIBUIÇÃO TRANSPARENTE E LÍCITA A CAMPANHAS POLÍTICAS; PROPAGAÇÃO DE PRINCÍPIOS DO PACTO ENTRE SEUS PÚBLICOS; INVESTIGAÇÕES ABERTAS E TRANSPARENTES; E ATUAÇÃO NA CADEIA PRODUTIVA. A KLABIN SE COMPROMETE COM PRINCÍPIOS ÉTICOS E O COMBATE À CORRUPÇÃO E UTILIZA OS ASPECTOS ANALISADOS ANUALMENTE PELO PACTO COMO MAIS UM DOS MEIOS PARA APRIMORAR SEU PROGRAMA DE INTEGRIDADE. NA AVALIAÇÃO REALIZADA EM 2017 PELO INPACTO, INSTITUTO QUE REALIZA O MONITORAMENTO JUNTO ÀS EMPRESAS INTEGRANTES, A KLABIN FOI REFERENCIADA DENTRE “AS EMPRESAS MAIS COMPROMETIDAS COM O COMBATE AO TRABALHO ESCRAVO”. FOI MENCIONADO O TRABALHO REALIZADO DE FORMA CONTÍNUA PELA EQUIPE, COM AVALIAÇÃO DA DIRETORIA, CONSIDERADO UM BOM INDICADOR DA “SERIEDADE COM QUE O TEMA É TRATADO” NA EMPRESA.

—  Reconhecimentos por melhores práticas

Por suas práticas orientadas para a sustentabilidade, em 2018, a Klabin conquistou ou manteve os seguintes reconhecimentos:

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3

O objetivo do índice é criar um ambiente de investimento compatível com o desenvolvimento sustentável, além de estimular a responsabilidade ética por meio de boas práticas empresariais. É o sexto ano consecutivo que a Klabin integra a carteira.

Spott Timber & Pulp

A Klabin figurou pela segunda vez no Spott Timber & Pulp, que avalia as informações públicas em relação às políticas, operações e compromissos com as melhores práticas ambientais, sociais e de governança de 50 produtores de madeira e celulose do mundo. A empresa está posicionada em terceiro lugar na lista global do setor, reforçando a solidez e transparência em suas práticas de sustentabilidade.

As empresas mais amadas – escolha dos profissionais, site Love Mondays

A Klabin figurou entre as 50 empresas mais bem avaliadas no ranking da Love Mondays, plataforma que registra avaliações sobre o ambiente de trabalho das empresas no Brasil. Para compor a lista, foram contabilizadas opiniões de profissionais de mais de 170 mil empresas do Brasil, que consideraram critérios como qualidade de vida, oportunidades de carreira, remuneração e benefícios, e a cultura da companhia. A Klabin se destacou especialmente nos dois últimos e alcançou a margem de 90% de aprovação dos seus colaboradores, que afirmaram que recomendariam a empresa a alguém.

Empresas mais Humanizadas do Brasil

A Klabin se destacou entre as 22 companhias brasileiras consideradas mais “humanizadas” por suas práticas responsáveis, em pesquisa inédita no País, conduzida pela Universidade de São Paulo (USP) em parceria com o Instituto Capitalismo Consciente e a Consultoria Trustin. Foram avaliadas mais de mil empresas por meio da opinião de seus colaboradores, clientes, fornecedores, investidores e entidades parceiras. Valores como ética, sustentabilidade, consciência ambiental, inovação, segurança e responsabilidade social foram apontados pelos entrevistados da pesquisa como atributos que se sobressaem na Klabin.

Nota máxima para a Klabin

Pela primeira vez, a Klabin constou no “A List”, classificação de liderança, do Carbon Disclosure Project (CDP), para os programas de Gestão da Água, Mudanças Climáticas e Supply Chain.Já para o Programa de Floresta, companhia foi categorizada no nível de gestão O reconhecimento posiciona a Klabin entre as companhias destacadas pela instituição como líderes na transição para a nova economia sustentável. O progresso de cada empresa é categorizado da seguinte forma: divulgação dos dados (D- e D), conscientização (C- e C), gestão (B- e B) e liderança (A- e A). O CDP é uma organização internacional sem fins lucrativos que analisa e reconhece as iniciativas das empresas para minimizar e gerir os impactos ambientais de suas atividades. Para os programas de Gestão da Água, Mudanças Climáticas e Supply Chain, a abrangência das informações é corporativa e envolve todas as unidades operacionais da companhia.